SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Referencias del artículo

BRITO, Jussara. Trabalho e Saúde Coletiva: o ponto de vista da atividade e das relações de gênero. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2005, vol.10, n.4, pp. 879-890. ISSN 1413-8123.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000400012.

    Appay B & Thébaud-Mony A 2000. Précarisation sociale, pp. 156-161. In H Hirata, F Laborie, H Le Doaré & D Senotier (orgs.). Dictionnaire Critique du Féminisme. Presse Universitaire de France, Paris. [ Links ]

    Araújo T, Aquino E, Menezes G, Santos C & Aguiar L 2003. Aspectos psicossociais do trabalho e distúrbios psíquicos entre trabalhadoras de enfermagem. Rev. Saúde Pública 37(4):424-433. [ Links ]

    Brito J 1999. Saúde, trabalho e modos sexuados de viver. Fiocruz, Rio de Janeiro. [ Links ]

    Brito J, Athayde M & Neves M (orgs.) 2003. Programa de Formação em Saúde, Gênero e Trabalho nas Escolas. UFPb/Editora Universitária, João Pessoa. (Caderno de Textos). [ Links ]

    Brito J, Athayde M & Neves (orgs) 2003a. Programa de Formação em Saúde, Gênero e Trabalho nas Escolas. UFPb/Editora Universitária, João Pessoa. (Caderno de Método e Procedimentos). [ Links ]

    Brito J 2004. Saúde do trabalhador: reflexões a partir da abordagem ergológica, pp. 91-114. In M Figueiredo, M Athayde, J Brito & D Alvarez (orgs). Labirintos do trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo. DP&A Editora (Espaços do Desenvolvimento), Rio de Janeiro. [ Links ]

    Canguilhem G [1947] 2001 Meios e normas do homem no trabalho. Pro-posições 12(2-3):109-121 [ Links ]

    Canguilhem G 1990. O normal e o patológico. 3 ed. revisada e aumentada. Forense Universitária, Rio de Janeiro. [ Links ]

    Canguilhem G 2002. La santé: concept vulgaire et question philosophique, pp. 49-68. In G Canguilhem, Collection Champ Freudien. Georges Canguilhem: Écrits sur la médecine. Éditions du Seuil, Paris. [ Links ]

    Caponi S 2003. A saúde como abertura ao risco, pp. 55-78. In D Czeresnia & C Freitas (orgs). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Fiocruz, Rio de Janeiro. [ Links ]

    Clot Y 1981. Une autre regard sur les usines, pp. 251-258. In I Oddone, A Re & G Brianti. Rédecouvrir lÉxpérience Ouvrière. Éditions Sociales, Paris. [ Links ]

    Clot Y 2001. Clinique du travail, clinique du réel. Les Journal des Psychologues 185:48-51. [ Links ]

    Costa S C 2002. Proteção social, maternidade transferida e lutas pela saúde reprodutiva. Revista Estudos Feministas 10 (2 semestre):301-322. [ Links ]

    Czeresnia D 2003. O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção, pp. 39-54. In D Czeresnia & C Freitas (orgs.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Fiocruz, Rio de Janeiro. [ Links ]

    Daune-Richard A 2003. Qualificações e representações sociais, pp. 65-76. In Hirata & Maruani (orgs.). As novas fronteiras da desigualdade: homens e mulheres no mercado de trabalho. Editora Senac, São Paulo. [ Links ]

    Davezies P 1993. Eléments de psychodynamique du travail. Education Permanente 116:33-46. [ Links ]

    Dejours C 1986. Por um novo conceito de saúde. Rev Bras de S Ocupacional 14(54):7-11. [ Links ]

    Dejours C 1987. A loucura do trabalho. Cortez, São Paulo. [ Links ]

    Dejours C 1995. Comment formuler une problématique de la santé en ergonomie et en médicine du travail? Le Travail Humain 58:1-16. [ Links ]

    Dejours C 2004. O Trabalho como enigma, pp. 127-140. In S Lancman & L Sznelwar (orgs). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Fiocruz, Rio de Janeiro; Paralelo 15, Brasília. [ Links ]

    Doray B 1981. Le taylorisme: une folie rationnelle? Dunod, Paris. [ Links ]

    Doyal L 1994. Riesgos para la salud en el entorno doméstico: um marco conceitual. Quadern CAPS 21:25-33. [ Links ]

    Guérin F, Laville A, Daniellou F, Duraffourg J, Kerguelen A 2001. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. Edgard Blücher Ltda, São Paulo. [ Links ]

    Haicault M 1984. La gestion ordinaire de la vie en deux. Sociologie du Travail 3:268-277. [ Links ]

    Haraway D 1988. Situated knowleges: The science question in feminism and privilege of partial perspective. Feminists Studies 14(3):575-599. [ Links ]

    Hirata H & Zarifian P 2000. Travail (le concept de), pp. 230-235. In H Hirata, F Laborie, H Le Doré, D Senotier (orgs). Dictionnaire Critique du Féminisme. PUF, Paris. [ Links ]

    Hirata H 2000. Globalização, trabalho e gênero, pp. 21-34. In A Jerusalinsky et al. O valor simbólico do trabalho e o sujeito contemporâneo. Artes e Ofícios, Porto Alegre. [ Links ]

    Hirata H 2002. Divisão sexual do trabalho: o estado das artes, pp. 273-289. In H Hirata, Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. Boitempo Editorial, São Paulo. (Coleção Mundo do Trabalho). [ Links ]

    Kergoat D 2000. Division sexuelle du travail et rapports sociaux de sexe, pp. 35-44. In H Hirata, F Laborie, H Le Doré, D Senotier (orgs). Dictionnaire Critique du Féminisme. PUF, Paris. [ Links ]

    Laurell A C & Noriega M 1989. Processo de produção e saúde. Hucitec, São Paulo. [ Links ]

    Le Blanc G 2002. La vie humaine: anthropologie et biologie chez Georges Canguilhem. PUF, Paris. [ Links ]

    Marcondes W, Rotenberg L, Portela L & Moreno C 2003. O peso do trabalho "leve" feminino à saúde. São Paulo Perspectiva 17(2):91-101. [ Links ]

    Nouroudine A 2003. Risco e atividades humanas: acerca da possível positividade aí presente, pp. 37-62. In M Figueiredo, M Athayde, J Brito & D Alvarez (orgs.). Labirintos do trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo. DP&A Eds, Rio de Janeiro. [ Links ]

    Oddone I, Re A & Brianti G. [1977] 1981). Rédecouvrir lÉxpérience Ouvrière. Éditions Sociales, Paris. [ Links ]

    Oliveira R 2001. A abordagem das lesões por esforços repetitivos no Centro de Referência em Saúde do Trabalhador do Espírito Santo. Dissertação de mestrado. Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro. [ Links ]

    Rifkin J 1995. O fim dos empregos. O declínio inevitável dos níveis de emprego e a redução da força global de trabalho. Makron Books, São Paulo. [ Links ]

    Rocha L, Debert-Ribeiro M 2001. Trabalho, saúde e gênero: estudo comparativo sobre analistas de sistemas. Revista de Saúde Pública 35(6):539-547. [ Links ]

    Schwartz Y 1988. Expérience et connaissance du travail. Éd. Sociales, Paris. [ Links ]

    Schwartz Y 2000. Le paradigme ergologique ou un métier de Philosophe. Octarès, Toulouse. [ Links ]

    Tambellini A M 1976. Contribuição à análise epidemiológica dos acidentes de trânsito. Tese de doutorado. Unicamp, Campinas. [ Links ]

    Tahon M.-B 2004. Sociologie de rapports de sexe. Collection "Le sens Sscial". Rennes/Ottawa: Presses Universitaires de Rennes/ Les Presses de lUniversité dOttawa. [ Links ]

    Terssac G & Maggi B. 2004. O trabalho e a abordagem ergonômica, pp 79-104. In Daniellou (org). A ergonomia em busca de seus princípios: debates epistemológicos. Editora Edgard Blücher, São Paulo. [ Links ]

    Teiger C 1993. Lapproche ergonomique: du travail humain à lactivité des hommes et des femmes au travail. Education Permanente 116:71-96. [ Links ]

    Vogel L 2001. La dimensión de género en salud laboral Primeras conclusiones de uma encuesta europea. Disponível em www.etuc.org/tutb/fr/femmes. Acessado em setembro de 2001. [ Links ]

    Wisner A 1994. A inteligência no trabalho: textos selecionados de ergonomia. Fundacentro, São Paulo. [ Links ]