SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Article References

AQUINO, Estela M. L. et al. Qualidade da atenção ao aborto no Sistema Único de Saúde do Nordeste brasileiro: o que dizem as mulheres?. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2012, vol.17, n.7, pp. 1765-1776. ISSN 1413-8123.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000700015.

    1. Grimes DA, Benson J, Singh S, Romero M, Ganatra B, Okonofua FE, Shah IH. Unsafe abortion: the preventable pandemic. Lancet 2006; 368(9550):1908-1919. [ Links ]

    2. Diniz D, Medeiros M. Aborto no Brasil: uma pesquisa domiciliar com tecnica de urna. Cien Saude Colet 2010; 15(Supl. 1):959-966. [ Links ]

    3. Laurenti R, Jorge MHPdM, Gotlieb SLD. A mortalidade materna nas capitais brasileiras: algumas características e estimativa de um fator de ajuste. Rev Bras Epidemiol 2004; 7(4):449-460. [ Links ]

    4. Menezes G, Aquino EM. Pesquisa sobre o aborto no Brasil: avanços e desafios para o campo da saúde coletiva. Cad Saude Publica 2009; 25(Supl. 2): S193-204. [ Links ]

    5. Sedgh G, Singh S, Shah IH, Ahman E, Henshaw SK, Bankole A. Induced abortion: incidence and trends worldwide from 1995 to 2008. Lancet 2012; 379(9816): 625-632. [ Links ]

    6. Donabedian A. Evaluating the quality of medical care. 1966. The Milbank quarterly 2005; 83(4):691-729. [ Links ]

    7. Vaitsman J, Andrade GRBd. Satisfação e responsividade: formas de medir a qualidade e a humanização da assistência à saúde. Cien Saude Colet 2005; 10(3):599-613. [ Links ]

    8. Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção humanizada ao abortamento: norma técnica. 2 ed. Brasília: MS; 2005. [ Links ]

    9. Say L, Pattinson RC, Gulmezoglu AM. WHO systematic review of maternal morbidity and mortality: the prevalence of severe acute maternal morbidity (near miss). Reproductive health 2004; 1(1):3. [ Links ]

    10. Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: plano de ação 2004-2007. Brasília: MS; 2004. 48 p. [ Links ]

    11. Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos: uma prioridade do governo. Brasília: MS; 2005. [ Links ]

    12. Organização Mundial da Saúde. International Women´s Health Coalition. Abortamento Seguro: orientação técnica e política para os sistemas da saúde. Campinas: CEMICAMP; 2004. [ Links ]

    13. Lopes RM, Vieira-da-Silva LM, Hartz ZMdA. Teste de uma metodologia para avaliar a organização, acesso e qualidade técnica do cuidado na atenção à diarréia na infância. Cad Saude Publica 2004; 20(Supl. 2):S283-S97. [ Links ]

    14. Brasil. Ministério da Saúde. Lei N 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União 1990; 20 set. [ Links ]

    15. World Health Organization (WHO). Maternal and Health and Safe Motherhood Program. Studying unsafe abortion: a practical guide. Geneva: (WHO); 1996. [ Links ]

    16. World Health Organization (WHO). Pesquisa Mundial de Saúde. [página na Internet]. [acessado 2012 jun 9]. Disponível em: http://www.who.int/healthinfo/survey/whslongindividuala.pdf [ Links ]

    17. Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Ciência e Tecnologia TeIEDdCeT. Aborto e saúde pública no Brasil: 20 anos. Brasília: MS; 2009. [ Links ]

    18. Singh S. Hospital admissions resulting from unsafe abortion: estimates from 13 developing countries. Lancet 2006; 368(9550):1887-1892. [ Links ]

    19. Billings DL, Benson J. Postabortion care in Latin America: policy and service recommendations from a decade of operations research. Health policy and planning 2005; 20(3):158-166. [ Links ]

    20. d'Orsi E, Chor D, Giffin K, Angulo-Tuesta A, Barbosa GP, Gama AdS, Reis AC, Hartz Z. Qualidade da atenção ao parto em maternidades do Rio de Janeiro. Rev Saude Publica 2005; 39(4):645-654. [ Links ]

    21. Serruya SJ, Lago TDG, Cecatti JG. O panorama da atenção pré-natal no Brasil e o Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2004; 4(3):269-279. [ Links ]

    22. Brasil. Lei N 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Diário Oficial da União 2005; 8 abril. [ Links ]

    23. Hotimsky SN, Alvarenga ATD. A definição do acompanhante no parto: uma questão ideológica? Revista Estudos Feministas 2002; 10(2):461-481. [ Links ]

    24. Hodnett ED, Gates S, Hofmeyr GJ, Sakala C, Weston J. Continuous support for women during childbirth. Cochrane Database Syst Rev 2011(2): CD003766. [ Links ]

    25. Brüggemann OM, Parpinelli MA, Osis MJD. Evidências sobre o suporte durante o trabalho de parto/parto: uma revisão da literatura. Cad Saude Publica 2005; 21(5):1316-1327. [ Links ]

    26. Veiga MB, Lam M, Gemeinhardt C, Houlihan E, Fitzsimmons BP, Hodgson ZG. Social support in the post-abortion recovery room: evidence from patients, support persons and nurses in a Vancouver clinic. Contraception 2011; 83(3):268-273. [ Links ]

    27. McCallum C, Reis APd. Re-significando a dor e superando a solidão: experiências do parto entre adolescentes de classes populares atendidas em uma maternidade pública de Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saude Publica 2006; 22(7):1483-1491. [ Links ]

    28. Motta ISD. A relação interpessoal entre profissionais de saúde e a mulher em abortamento incompleto: "o olhar da mulher". Rev. bras. saúde matern. infant 2005; 5(2):219-228. [ Links ]

    29. Mariutti MG, Almeida AMd, Panobianco MS. Nursing care according to women in abortion situations. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2007; 15(1):20-26. [ Links ]

    30. Bertolani GBM, Oliveira EMd. Mulheres em situação de abortamento: estudo de caso. Saúde e Sociedade 2010; 19(2):286-301. [ Links ]

    31. Carneiro M. Largada sozinha, mas tudo bem: paradoxos da experiência de mulheres na hospitalização por aborto em Salvador, Bahia [dissertação]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 2012. [ Links ]

    32. Costa AM. Integralidade na atenção e no cuidado a saúde. Saúde e Sociedade 2004; 13(3):5-15. [ Links ]

    33. Bazotti KDV, Stumm EMF, Kirchner RM. Ser cuidada por profissionais da saúde: percepções e sentimentos de mulheres que sofreram abortamento. Texto & Contexto - Enfermagem 2009; 18(1):147-154. [ Links ]

    34. Aguiar JMd, d'Oliveira AFPL. Violência institucional em maternidades públicas sob a ótica das usuárias. Interface Comun Saúde Educ 2011; 15(36):79-92. [ Links ]

    35. d'Oliveira AF, Diniz SG, Schraiber LB. Violence against women in health-care institutions: an emerging problem. Lancet. 2002; 359(9318):1681-1685. [ Links ]

    36. Adesse L. Assistência à mulher em abortamento: a necessária revisão de práticas de má conduta, preconceito e abuso. In: Deslandes S, editor. Humanização dos cuidados em saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz; 2006. p. 371-387. [ Links ]

    37. Samico I, Hartz ZMdA, Felisberto E, Carvalho EFd. Atenção à saúde da criança: uma análise do grau de implantação e da satisfação de profissionais e usuários em dois municípios do estado de Pernambuco, Brasil. Rev. bras. saúde matern. infant 2005; 5(2):229-240. [ Links ]