SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Article References

LIMA-DELLAMORA, Elisangela da Costa; CAETANO, Rosangela  and  OSORIO-DE-CASTRO, Claudia Garcia Serpa. Dispensação de medicamentos do componente especializado em polos no Estado do Rio de Janeiro. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2012, vol.17, n.9, pp. 2387-2396. ISSN 1413-8123.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000900019.

    1. Brasil. Ministério da Saúde (MS). Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas. Brasília: MS; 2010. [ Links ]

    2. Picon PD, Beltrame A. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas. 2002. [site na Internet]. [acessado em 2011 abr 29]. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/dsra/protocolos/index.htm. [ Links ]

    3. Brasil. Ministério da Saúde (MS). Portaria GM/MS no 2981 de 30 de novembro de 2009. Aprova o Componente Especializado da Assistência Farmacêutica. Diario Oficial da União 2009; 30 nov. [ Links ]

    4. Ivama AM, Noblat L, Castro MS, Oliveira NVBV, Jaramillo NM, Rech N. Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica: Proposta. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2002. [ Links ]

    5. Sampaio J, Araújo-Junior JL. Análise das políticas públicas: uma proposta metodológica para o estudo no campo da prevenção em Aids. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant 2006; 6(3):335-346. [ Links ]

    6. Messender AM, Osório-de-Castro CGS, Luiza VL. Mandados judiciais como ferramenta para garantia do acesso a medicamentos no setor público: a experiência do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saude Publica 2005; 21(2):525-534. [ Links ]

    7. Santana JMB. Essencialidade e Assistência Farmacêutica: um estudo exploratório das demandas judiciais individuais para acesso a medicamentos no estado do Rio de Janeiro. [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2009. [ Links ]

    8. Blatt CR, Farias MR. Diagnóstico do Programa de Medicamentos Excepcionais do Estado de Santa Catarina - Brasil. Lat. Am. J. Pharm. 2007; 26(5):776-783. [ Links ]

    9. Pereira JR, Santos RI, Nascimento-Junior JM, Schenkel EP. Análise das demandas judiciais para o fornecimento de medicamentos pela Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina nos anos de 2003 e 2004. Cien Saude Colet 2010; 15(Supl. 3): 3551-3560. [ Links ]

    10. Chieffi AL, Barata RB. Judicialização da política pública de assistência farmacêutica e eqüidade. Cad Saude Publica 2009; 25(8):1839-1849. [ Links ]

    11. Vieira FS, Zucchi P. Distorções causadas pelas ações judiciais à política de medicamentos no Brasil. Rev Saude Publica 2007; 41(2):214-222. [ Links ]

    12. Romero LC. Judicialização das políticas de assistência farmacêutica: o caso do distrito federal. Brasília: Consultoria Legislativa do Senado Federal; 2008. [página na Internet]. [acessado 2010 out 30]. Disponível em: http://www.senado.gov.br/senado/coleg/textos_discussão/ [ Links ]

    13. Brasil. Resolução ANVISA no 328 de 22 de julho de 1999. Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias. Diário Oficial da União 1999; 26 jul. [ Links ]

    14. Marin N, Luiza VL, Osório-de-Castro CGS, Machado-dos-Santos S, organizadores. Assistência Farmacêutica para gerentes municipais. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde; 2003. [ Links ]

    15. Angonesi D. Dispensação farmacêutica: uma análise de diferentes conceitos e modelos. Cien Saude Colet 2008; 13(Supl. 1):629-640. [ Links ]

    16. Pepe VLE, Osório-de-Castro CGS. A interação entre prescritores, dispensadores e pacientes: informação compartilhada como possível benefício terapêutico. Cad Saude Publica 2000; 16(3):815-822. [ Links ]

    17. Minayo MCS, Trabalho de campo: contexto de observação, interação e descoberta. In: Deslandes SF, Gomes R, Minayo MCS, organizadores. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes; 2008. p. 61-77. [ Links ]

    18. Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2007. [ Links ]

    19. Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar (SBRAFH). Padrões Mínimos para Farmácia Hospitalar. Goiânia: SBRAFH; 2007. [ Links ]

    20. Brasil. Conselho Nacional de Secretaria de Saúde (CONASS). Para entender a gestão do Programa de Medicamentos dispensação em caráter excepcionais. Brasília: CONASS Documenta; 2004. [ Links ]

    21. Carvalho LJMA. Sobre a Política de Dispensação de Medicamentos no Brasil. Revista Direito e Justiça. 2008; 11:161-169. [ Links ]

    22. Krauss-Silva L. Avaliação tecnológica e análise custo-efetividade em saúde: a incorporação de tecnologias e a produção de diretrizes clínicas para o SUS. Cien Saude Colet 2003; 8(2):501-520. [ Links ]

    23. Araújo ALA, Freitas O. Concepções do profissional farmacêutico sobre a assistência farmacêutica na unidade básica de saúde: dificuldades e elementos para a mudança. Braz Journal Pharm Sciences 2006; 42(1):137-146. [ Links ]

    24. Araújo ALA, Pereira LRL, Ueta JM, Freitas O. Perfil da Assistência Farmacêutica na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Cien Saude Colet 2008; 13 (Supl. 1):611-617. [ Links ]

    25. Penaforte TR, Forster AC, Simões MJS. Evaluations of the performance of pharmacists in terms of providing health assistance at a university hospital. Clinics 2007; 62(5):567-572. [ Links ]

    26. Mendes AWB, Caldas Junior AL. Prática Profissional e Ética no Contexto das Políticas de Saúde. Rev Latino-am. Enfermagem. 2001; 9(3):20-26. [ Links ]

    27. Castro MS, Correr CJ. Pharmaceutical care in community pharmacies: practice and research in Brazil. The Annals of Pharmacoterapy 2007; 41(9):1486-1493. [ Links ]

    28. Azevedo CS. A dimensão imaginária e intersubjetiva das organizações de saúde: implicações para o trabalho gerencial e para a mudança organizacional. Cien Saude Colet 2010; 15(Supl. 1):977-986. [ Links ]

    29. Matos E, Pires DEP, Campos GWS. Relações de trabalho em equipes interdisciplinares: contribuições para a constituição de novas formas de organização do trabalho em saúde. Rev. Bras. Enferm. 2009; 62(6):863-869. [ Links ]

    30. Cecílio LCO. Autonomia versus controle dos trabalhadores: a gestão do poder no hospital. Cien Saude Colet 1999; 4(2):315-329. [ Links ]

    31. Weber L, Grisci CLI. Trabalho, gestão e subjetividade: dilemas de chefias Intermediárias em contexto hospitalar. Cad. EBAPE.BR. 2010; 8(1):54-70. [ Links ]

    32. Cabana MD, Rand CS, Powe NR, Wu AW, Wilson, MH, Abboud PAC, Rubin HR. Why don't physicians follow clinical practice guidelines? JAMA 1999; 282(15):1458-1465. [ Links ]

    33. Leentjens AF, Burgers JS. What factors are important for the successful implemation of guidelines? Tijdschr Psychiatr. 2008; 50(6):329-335. [ Links ]

    34. Forsner T, Wistedt AA, Brommels M, Forsell Y. An approach to measure compliance to clinical guidelines in psychiatric care. BMC Psychiatry 2008; 8:64. [ Links ]

    35. Grol R, Grimshaw J. From best evidence to best practice: effective implementation of change in patient's care. The Lancet 2003; 362(9391):1225-1230. [ Links ]

    36. Organização Mundial de Saúde (OMS). Organização Pan-americana de Saúde. El papel del farmacêutico en el sistema del atención de salud. Tóquio: Informe de La Reunión de la OMS; 1993. [ Links ]