SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Article References

BRUNING, Maria Cecilia Ribeiro; MOSEGUI, Gabriela Bittencourt Gonzalez  and  VIANNA, Cid Manso de Melo. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu - Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2012, vol.17, n.10, pp. 2675-2685. ISSN 1413-8123.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001000017.

    1. Bragança ALR. Plantas medicinais antidiabéticas: uma abordagem multidisciplinar. Niterói: EDUFF; 1996. [ Links ]

    2. Eldin S, Dunford A. Fitoterapia na atenção primária a saúde. São Paulo: Manole; 2001. [ Links ]

    3. Arnous AH, Santos AS, Beinner RPC. Plantas medicinais de uso caseiro- conhecimento popular e interesse pelo cultivo comunitário. Espaç. saúde 2005; 6(2):01-06. [ Links ]

    4. Schenkel EP. Cuidado com os medicamentos. As plantas medicinais, os chás e os fitoterápicos. Porto Alegre: Saga, Deluzzata; 1995. [ Links ]

    5. Marques FC. Fito 2000 – Lima, Peru. Boletim da Associação Catarinense de Plantas Medicinais. No prelo 2001. [ Links ]

    6. Araújo M. Das ervas medicinais à fitoterapia. São Paulo: Ateliê Editorial; 2002. [ Links ]

    7. Guizardi FL, Pinheiro R. Novas práticas sociais na constituição do direito à saúde: a experiência de um movimento fitoterápico comunitário. Interface Comun saúde Educ 2008; 12(24):109-122. [ Links ]

    8. Yunes RA, Pedrosa RC, Cechinel FV. Fármacos e fitoterápicos: a necessidade do desenvolvimento da indústria de fitoterápicos e fitofármacos no Brasil. Quimica Nova 2001; 24(1):147-152. [ Links ]

    9. Leite SN. Além da medicação: a contribuição da fitoterapia para a saúde publica [dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2000. [ Links ]

    10. Luz MT. Notas sobre as políticas de saúde no Brasil de transição demográfica – Anos 80. In: Santana JP, Organizador. Desenvolvimento gerencial de unidades básicas de saúde do distrito sanitário. Brasília: Opas; 1995. p. 138-154. [ Links ]

    11. Nunes ED. Sobre a história da saúde pública: idéias e autores. Cien Saude Colet 2000; 5(2):251-264. [ Links ]

    12. Cordeiro HA. A indústria da saúde no Brasil. Rio de janeiro: Graal; 1980. [ Links ]

    13. Vianna CMM. Estruturas do Sistema de Saúde: do Complexo Médico-industrial ao Médico-financeiro. Physis 2002; 12(2):375-390. [ Links ]

    14. Oliveira EM, Aragão AEA. A influência positivista na formação dos profissionais de saúde. [artigo da internet]. [acessado 2008 ago 14]. Disponível em: http://sbmfc.org.br/site/bib/influenciapositiva.pdf [ Links ]

    15. Siqueira JE. Tecnologia e medicina entre encontros e desencontros. Revista de Bioética 2000; 8(1):55-65. [ Links ]

    16. Aguiar ACA. Implementando as novas diretrizes curriculares para a educação médica: o que nos ensina o caso de Harvard? Interface Comun Saude Educ. 2001; 5(8):161-166. [ Links ]

    17. Tomazzoni MI. Subsídios para a introdução do uso de fitoterápicos na rede básica de saúde do Município de Cascavel/PR [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2004. [ Links ]

    18. Lefèvre F. A função simbólica dos medicamentos. Rev Saude Publica 1983; 17(6):500-503. [ Links ]

    19. Ministério da Saúde (MS). Aprender SUS: o SUS e os cursos de graduação na área da saúde 2004. [documento da internet]. [acessado 2008 ago 25]. Disponível em : http://www.saude.gov.br. [ Links ]

    20. Merhy EE, Cecilio LCO, Nogueira FRC. Por um modelo tecno-assistencial da política de saúde em defesa da vida: contribuição para as conferências de saúde. Saúde em Debate 1991; 33:83-89. [ Links ]

    21. Paim JSA. Reforma sanitária e os modelos assistenciais. In: Rouquayrol MZ, organizador. Epidemiologia e Saúde. 5 Edição. Rio de Janeiro: MEDSI; 1999. p. 473-487. [ Links ]

    22. Martins ER, Castro DM, Castellani DC, Dias JE. Plantas medicinais. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa; 2000. [ Links ]

    23. Grams WFMP. Plantas medicinais de uso popular em cinco distritos da Ilha de Santa Catarina – Florianópolis, SC [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 1999. [ Links ]

    24. Brasil. Ministério da Saúde (MS), Secretaria de Políticas de Saúde. Política nacional de medicamentos. Brasília: MS; 1999. [ Links ]

    25. Lima JJF. Perspectivas dos cirurgiões dentistas sobre a inserção da fitoterapia na atenção básica de saúde [dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2005. [ Links ]

    26. Tomazzoni MI, Negrelle RRB, Centa M.L. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapêutica. Texto Contexto enfermagem 2006; 15(1):115-121. [ Links ]

    27. Turolla MSR, Nascimento ES. Informações toxicológicas de alguns fitoterápicos utilizados no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas 2006; 42(2):289-306. [ Links ]

    28. Ferro D. Fitoterapia: conceitos clínicos. São Paulo: Atheneu; 2008. [ Links ]

    29. Luz MT. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis 1997; 7(1):13-43. [ Links ]

    30. Matsuda AH . Fitoterápicos: complementos nutricionais ou medicamentos? In: Torres EAFS, organizador. Alimentos do milênio: a importância dos transgênicos, funcionais e fitoterápicos para a saúde. São Paulo: Signus; 2002. p. 31-41. [ Links ]

    31. Gullo C, Pereira C. De volta à inquisição. Revista Isto É 1998 set; p. 128-130. [ Links ]

    32. Lorenzi H, Matos FJA. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. São Paulo: Nova Odessa; 2002. [ Links ]

    33. Simões CMO, Mentz LA, Schenkel EP, Irgang BE, Stehmann JR. Plantas da medicina popular no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS; 1988. [ Links ]

    34. Jorquera CS. Utilización industrial de plantas medicinales. In: Workshop presented in UNIDO in Latin America; 1993 jul 11-17; Guatemala; 1993. [ Links ]

    35. Alves DL, Silva CR. Fitohormônios: abordagem natural da terapia hormonal. São Paulo: Atheneu; 2002. [ Links ]

    36. Teixeira JBP. Estratégia de proteção patentária para plantas Medicinais e Medicamentos Fitoterápicos em adição aos Genéricos no SUS [tese]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2005. [ Links ]

    37. Organização Pan-Americana da Saúde. Declaração de Alma-Ata. In: Conferência Internacional Sobre Cuidados Primários de Saúde, 6-12 set 1978, Alma-Ata. [site da Internet]. [acessado 2009 ago 04]. Disponível em: http://www.opas.org.br/promocao/uploadArq/Alma-Ata.pdf. [ Links ]

    38. Brasil. Ministério da Saúde (MS). Ministério da Previdência e Assistência Social. Boletim da 8. Conferencia Nacional de Saúde. Brasília: MS; 1986. [ Links ]

    39. Espirito Santo. Programa de fitoterapia. [artigo na Internet]. [acessado 2008 ago 29]. Disponível em www.vitoria.es.gov.br/secretarias/saude/fito1.htm. [ Links ]

    40. Hufford DJ. Folk medicine and health culture in contemporary society. Prim Care 1997; 24 (4):723-741. [ Links ]

    41. Akerele O. Medicinal plants and primary health care: an agenda for action. (tradução de André A. R. de Meijer e Ceres B. Laus). Revista de Fitoterapia 1988; 59(5):355-363. [ Links ]

    42. Brasil. Ministério da Saúde (MS), Departamento de Atenção Básica. Guia prático de saúde da família. Brasilia: MS; 2001. [ Links ]

    43. Curitiba. Secretaria Municipal de Saúde. Programa de fitoterapia 2003. [artigo na Internet]. [acessado 2008 ago 29]. Disponível em: http://www.plantasmedicinais.org/saúde/arquivo000013.html [ Links ]

    44. Furnham A, Bhagrath R. A comparison of health beliefs and behaviours of clients of orthodox and complementary medicine. Br J Clin Psychol 1993; 32(2):237-246. [ Links ]

    45. Albuquerque UP. Introdução à Etnobotânica. Recife: Edições Bagaço; 2002. [ Links ]

    46. Geertz C. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 5 Edição. Petrópolis: Vozes; 2002. [ Links ]

    47. Barbosa, MA. A utilização de terapias alternativas por enfermeiros brasileiros. [tese]. Universidade de São Paulo: São Paulo; 1994. [ Links ]

    48. Luz MT. Novos saberes e práticas em saúde coletiva: Estudo sobre racionalidades médicas e atividades corporais. 2 Edição. São Paulo: Hucitec; 2005. [ Links ]

    49. Santos MAP, Reis MCP. Relato de uma experiência de incentivo ao uso popular da planta medicinal dentro de uma prática médica generalista numa comunidade adstrita (ilha de Paquetá - Rio de Janeiro). In: XV Simpósio de Plantas Medicinais do Brasil, 1998; Águas de Lindóia, São Paulo; 1998. [ Links ]

    50. Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Memento Terapêutico: Programa de Fitoterapia. Rio de Janeiro: SMS; 2002. [ Links ]

    51. Nuñez, HM, Ciosak, SI. Terapias alternativas/complementares: o saber e o fazer das enfermeiras do distrito administrativo 71 – Santo Amaro – São Paulo. Rev Enf USP 2003; 37(3):11-18. [ Links ]

    52. Dutra MG. Plantas Medicinais, Fitoterápicos e saúde pública: um diagnóstico situacional em Anápolis, Goiás. [dissertação]. Anápolis: UniEvangélica; 2009. [ Links ]