SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Article References

SANTOS, Melissa Costa  and  TESSER, Charles Dalcanale. Um método para a implantação e promoção de acesso às Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2012, vol.17, n.11, pp. 3011-3024. ISSN 1413-8123.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001100018.

    1. Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Portaria 971 - Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde; Diário Oficial da União 2006; 03 maio. [ Links ]

    2. Gonçalves RP, Antunes HM, Teixeira JBP, Cardoso LO, Barbosa PR. Profissionais da área de saúde pública: atitudes, conhecimentos e experiências em relação a práticas médicas não convencionais. Rev APS 2008;11(4):398-405. [ Links ]

    3. Nogales-Gaete J. Medicina alternativa y complementaria. Rev Chil Neuropsiquiatr 2004;42(4):243-250. [ Links ]

    4. Sayd JD. Novos Paradigmas e Saúde. Physis 1999;9(1):113-121. [ Links ]

    5. Tesser CD, Barros NF. Medicalização social e Medicina alternativa e complementar: pluralização terapêutica do sistema único de saúde. Rev Saude Publica 2008;42(5):914-920. [ Links ]

    6. Luz MT. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis 2005;15(Supl.):145-176. [ Links ]

    7. Sousa IMC, Vieira ALS. Serviços Públicos de saúde e medicina alternativa. Cien Saude Colet 2005;10(Supl.):255-266. [ Links ]

    8. Andrade JT. Medicinas alternativas e complementares: experiência, corporeidade e transformação. Salvador, Fortaleza: EDUFBA, EdUECE; 2006. [ Links ]

    9. Levin JS, Jonas WB, organizadores. Tratado de medicina complementar e alternativa. São Paulo: Manole; 2001. [ Links ]

    10. Tesser CD, Luz MT. Racionalidades Médicas e integralidade. Cien Saude Colet 2008;13(1):195-206. [ Links ]

    11. Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Relatório de Gestão 2006/2010 - Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília-DF: MS; 2011. [ Links ]

    12. Helman CG. Culture, health and Ilness. 5th Edition. New York: Oxford University Press; 2007. [ Links ]

    13. Andrade JT, Da Costa LFA. Medicina complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da antropologia médica. Saude Soc 2010;19(3):497-508. [ Links ]

    14. De Simoni CL, Benevides I, Barros NF. As práticas Integrativas e Complementares no SUS: realidade e desaûos após dois anos de publicação da PNPIC. Rev Bras Saude Fam 2008;IX:72-76. [ Links ]

    15. Barrett B, Marchand L, Scheder J, Plane MB, Maberry R, Appelbaum D, Rakel D, Rabago D. Themes of Holism, Empowerment, Access, and Legitimacy Define Complementary, Alternative, and Integrative Medicine in Relation to Conventional Biomedicine. J Altern Complement Med 2003;9(6):937-947. [ Links ]

    16. Thiollent M. Medotologia da Pesquisa-ação. 17 Edição. São Paulo: Cortez; 2009. [ Links ]

    17. Thiollent M. Pesquisa-ação nas Organizações. São Paulo: Atlas; 1997. [ Links ]

    18. McWhinney IR, Freeman T. Textbook of Family Medicine. 3rd Edition. New York: Oxford University Press; 2009. [ Links ]

    19. Ross J. An audit of the impact of introducing microacupuncture into primary care. Acupunct Med 2001;19(1):43-45. [ Links ]

    20. Ben-Arye E, Frenkel M, Klein A, Scharf M. Attitudes toward integration of complementary and alternative medicine in primary care: perspectives of patients, physicians and complementary practitioners. Patient Educ Couns 2008;70(3):395-402. [ Links ]

    21. Guizardi FL, Cavalcanti FO. O conceito de cogestão em saúde: reflexões sobre a produção de democracia institucional. Physis 2010;20(4):1245-1265. [ Links ]

    22. Campos GWS. O anti-Taylor: sobre a invenção de um método para co-governar instituições de saúde produzindo liberdade e compromisso. Cad Saude Publica 1998;14(4):863-870. [ Links ]

    23. Campos GWS. Um método para análise e co-gestão de coletivos. São Paulo: Hucitec; 2000. [ Links ]

    24. Rivera FJU, Artmann E. Planejamento e gestão em saúde: flexibilidade metológica e agir comunicativo. Cien Saude Colet 1999;4(2):355-365. [ Links ]

    25. Barros NF. A construção da Medicina Integrativa: um desafio para o campo da saúde. São Paulo: Hucitec; 2008. [ Links ]

    26. Queiroz MS. O itinerário rumo às medicinas alternativas: uma análise em representações sociais de profissionais da saúde. Cad Saude Publica 2000;16(2): 363-375. [ Links ]

    27. Hsio AF, Ryan GW, Hays RD, Coulter ID, Andersen RM, Wenger NS. Variations in provider conceptions of integrative medicine. Soc Sci Med 2006;62(12):2973-2987. [ Links ]

    28. Bell IR, Caspi O, Schwartz GE, Grant KL, Gaudet TW, Rychener D, Maizes V, Weil A. Integrative medicine and systemic outcomes research - Issues in the emergence of a new model for primary health care. Arch Intern Med 2002;162(2):133-140. [ Links ]

    29. Tesser CD. Práticas complementares, racionalidades médicas e promoção da saúde: contribuições poucos exploradas. Cad Saude Publica 2009;25(8):1732-1742. [ Links ]

    30. Tesser CD. Racionalidades médicas e integralidade: desafios para a Saúde Coletiva e o SUS. In: Pinheiro R, Silva Jr. AG, organizadores. Por uma sociedade cuidadora. Rio de Janeiro: CEPESC, IMS (UERJ), Abrasco; 2010. p. 77-100. [ Links ]

    31. Marshall M, Sheaff R, Rogers A, Campbell S, Halliwell S, Pickard S, Sibbald B, Roland M. A qualitative study of the cultural changes in primary care organisations needed to implement clinical governance. Br J Gen Pract 2002;52(481):641-645. [ Links ]

    32. Campbel SM, Hann M, Hacker J, Burns C, Oliver D, Thapar A, Mead N, Gelb Safran D, Roland MO. Identifying predictors of high quality care in English general practice: observational study. BMJ 2001;323(7316):1-6. [ Links ]

    33. Costa AM, Lionço T. Democracia e Gestão Participativa: uma estratégia para a equidade em saúde? Saude Soc 2006;15(2):47-55. [ Links ]

    34. Haddad JQ, Roschke MAC, Davini MC. Educación permanente de personal de salud. Washington: Organización Panamericana de la Salud; 1994. p.1-30 (Serie de Desarrollo de Recursos Humanos, 100). [ Links ]

    35. Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface Comun Saúde Educ 2005;9(16):161-168. [ Links ]

    36. Bower P, Campbell S, Bojke C, Sibbald B. Team structure, team climate and the quality of care in primary care: an observational study. Qual Saf Health Care 2003;12(4):273-279. [ Links ]

    37. Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. Physis 2004;14(Supl.1):41-64. [ Links ]

    38. Campos GWS. Saúde Paidéia. São Paulo: Hucitec; 2003. [ Links ]

    39. Feuerwerker LCM. Além do discurso de mudança na educação médica: processos e resultados. São Paulo: Hucitec; 2002. [ Links ]

    40. World Health Organization (WHO). The World Medicines Situation 2011 - Tradicional Medicines: Global Situation, Issues and Challenges. Genova: WHO; 2011. [ Links ]