SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Article References

RODRIGUES, Mirella et al. Diferenciais na adequação das informações de eventos vitais nos municípios de Pernambuco, 2006-2008. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2012, vol.15, n.2, pp. 275-284. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2012000200005.

    1. Torres C, Mujica OJ. Health, equity, and the millennium development goals. Rev Panam Salud Pública 2004; 15: 430-9. [ Links ]

    2. Szwarcwald CL, Leal MC, Andrade CLT, Souza Jr. PRB. Estimação da mortalidade infantil no Brasil: o que dizem as informações de óbitos e nascimentos do Ministério da Saúde? Cad Saúde Pública 2002; 18: 1725-36. [ Links ]

    3. Andrade CLT, Szwarcwald CL. Desigualdades sócio-espaciais da adequação das informações de nascimentos e óbitos do Ministério da Saúde, Brasil, 2000-2002. Cad Saúde Pública 2007; 23: 1207-16. [ Links ]

    4. Schramm J M A, Szwarcwald C L. Sistema hospitalar como fonte de informações para estimar a mortalidade neonatal e a natimortalidade. Rev Saúde Pública 2000; 34: 272-9. [ Links ]

    5. Frias PG, Pereira PMH, Andrade CLT, Lira PIC, Szwarcwald CL. Avaliação da adequação das informações de mortalidade e nascidos vivos no Estado de Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública 2010;26: 671-81. [ Links ]

    6. Rede Interagencial de Informações para a Saúde. Indicadores básicos para saúde no Brasil: conceitos e aplicações (2 ed.). Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2008. [ Links ]

    7. Almeida MF, Alencar GP, Novaes HMD, Ortiz, LP. Sistemas de informação e mortalidade perinatal: conceitos e condições de uso em estudos epidemiológicos. Rev Bras Epidemiol 2006; 9: 56-68. [ Links ]

    8. Whitman S, Silva A, Shah A, Ansell D. Diversity and disparity: GIS and small-area analysis in six Chicago neighborhoods. J Med Syst 2004; 28: 397-411. [ Links ]

    9. IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 2009. Estados@ - Tema - Síntese de Indicadores Sociais 2009. Disponível em http://www.ibge.gov.br. [Acessado em 27 de dezembro de 2010] [ Links ]

    10. Paes N. Avaliação da cobertura dos registros de óbitos dos estados brasileiros em 2000. Rev Saúde Pública 2005; 39: 882-90. [ Links ]

    11. Frias PG, Pereira PMH, Vidal AS, Lira PIC. Avaliação da cobertura do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos e a contribuição das fontes potenciais de notificação do nascimento em dois municípios de Pernambuco, Brasil. Epidemiol Serv Saúde 2007; 16: 93-101. [ Links ]

    12. Costa JMBS, Frias PG. Avaliação da completitude das variáveis da Declaração de Nascido Vivo de residentes em Pernambuco, Brasil, 1996 a 2005. Cad Saúde Pública 2009, 25: 613-24. [ Links ]

    13. Costa JMBS, Frias PG. Avaliação da completitude das variáveis da declaração de óbitos de menores de um ano residentes em Pernambuco, Brasil, 1997-2005. Ciência e Saúde Coletiva 2011, 16: 1267-1274 [ Links ]

    14. Romero DE, Cunha CB. Avaliação da qualidade das variáveis sócio-econômicas e demográficas dos óbitos de crianças menores de um ano registrados no Sistema de Informações sobre Mortalidade do Brasil (1996/2001). Cad Saúde Pública 2006; 22: 673-84. [ Links ]

    15. Schramm JMA, Szwarcwald CL. Sistema hospitalar como fonte de informações para estimar a mortalidade neonatal e a natimortalidade. Rev Saúde Pública 2000; 34: 272-9. [ Links ]

    16. Almeida MF, Alencar GP, Schoeps D. Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - Sinasc: Uma Avaliação de sua Trajetória. In: A Experiência Brasileira em Sistemas de Informação em Saúde - Produção e Disseminação de Informações sobre Saúde no Brasil (Vol I). Brasília; Ministério da Saúde; 2009. 148p. Ilust. [ Links ]

    17. Mello Jorge MHP, Laurenti R, Gotlieb SLD. Análise da qualidade das estatísticas vitais brasileiras: a experiência de implantação do SIM e do SINASC. Ciência & Saúde Coletiva 2007; 12: 643-54. [ Links ]

    18. Mathers CD, Fat DM, Inoue M, Rao C, Lopez AD. Counting the dead and what they did from: an assessment of the global status of cause of death data. Bull World Health Organ 2005; 83: 171-7. [ Links ]

    19. Setel PW, Sankoh O, Rao C, Velkoff VA, Mathers C,Gonghuan Y, et al. Sample registration of vital events with verbal autopsy: a renewed commitment to measuring and monitoring vital statistics. Bull World Health Organ 2005; 83: 611-7. [ Links ]

    20. Teixeira CLS, Klein CH, Bloch KV, Coeli CM. Reclassificação dos grupos de causas prováveis dos óbitos de causa mal definida, com base nas Autorizações de Internação Hospitalar no Sistema Único de Saúde, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública 2006; 22: 1315-24. [ Links ]

    21. Costa MR, Marcopito LF.Mortalidade por causas mal definidas, Brasil, 1979-2002, e um modelo preditivo para idade. Cad Saúde Pública 2008; 24: 1001-12. [ Links ]

    22. Rozman MA, Eluf Neto J. Necropsia e mortalidade por causa mal definida no Estado de São Paulo. Rev Panam Salud Publica 2006; 20: 307-13. [ Links ]

    23. Santo AH. Causas mal definidas de morte e óbitos sem assistência. Rev Assoc Med Bras 2008; 54: 23-8. [ Links ]

    24. Frias PG, Pereira PMH, Andrade CLT, Szwarcwald CL. Sistema de Informações sobre Mortalidade: estudo de caso em municípios com precariedade dos dados. Cad Saúde Pública 2008; 24: 2257-66. [ Links ]

    25. Viacava, F. Informações em saúde: a importância dos inquéritos populacionais. Ciência & Saúde Coletiva 2002; 7: 607-21. [ Links ]

    26. Frias PG, Vidal SA, Pereira PMH, Lira PIC, Vanderley LC. Avaliação da notificação de óbitos infantis ao Sistema de Informações sobre Mortalidade: um estudo de caso. Rev Bras Saúde MaternInfant 2005; 5(1): 43-52. [ Links ]