ARTIGO

 

A situação socioeconômica afeta igualmente a saúde de idosos e adultos mais jovens no Brasil? Um estudo utilizando dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios ­PNAD/98

 

Is the health of older and younger adults in Brazil similarly affected by socioeconomic circumstances? A study using data from a national household survey ­ PNAD/98

 

 

Maria Fernanda Lima-Costa1; Sandhi Barreto; Luana Giatti1

Núcleo de Estudos em Saúde Pública e Envelhecimento (Nespe). Centro de Pesquisas René Rachou da Fundação Oswaldo Cruz e Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Av. Augusto de Lima 1.715, 30190-002, Belo Horizonte MG

Endereço para correspondência

 

 


ABSTRACT

In this article we used data from a national household survey in Brazil (PNAD/98) to examine the association between household income per capita and several indicators of health condition (report of selected chronic diseases, self rated health, inability to perform routine activities because of a health problem, and staying in bed recently), impairment (level of difficulty to perform selected physical activities) and use of medical and dental services. A representative sample of the Brazilian population aged ³ 20 years (n=197297) participated in the study. The characteristics of people in the lower quintile of the distribution of household income per capita of older adults were compared with those with higher income (< 0,67 vs ³ 0,67 Brazilian minimum wage). The data analysis was stratified by age (20-64 and ³ 65 years). The results showed that the health conditions of both, older and younger adults, were similarly affected by socioeconomic circumstances. Those with lower household income per capita, independently of age, presented worse health conditions and worse physical functioning, and less use of medical and dental services. The results of this study indicate that policies aiming at reducing income inequalities are equally important to improve the health of older and younger adults in this country.

Key words: Socioeconomic circumstances, Social inequities and health, Ageing, Brazil, PNAD


RESUMO

Neste artigo utilizamos dados da PNAD/98 para examinar as associações existentes entre a renda domiciliar per capita e indicadores da condição de saúde (relato de doenças crônicas selecionadas, percepção da própria saúde, incapacidade para realizar atividades por problemas de saúde e ter estado acamado recentemente), função física (dificuldade para realizar seis conjuntos de atividades) e uso de serviços médicos e odontológicos. O estudo foi realizado em uma amostra de 197.297 pessoas representativas da população brasileira com idade ³ 20 anos, estratificada em dois grupos etários (20-64 e ³ 65 anos). As características daqueles com renda familiar per capita situada no quintil mais baixo da distribuição de renda dos idosos foram comparadas às daqueles com renda mais alta (<0,67 vs. ³ 0,67 salários mínimos). Os resultados mostraram que a situação socioeconômica afeta igualmente a saúde de idosos e de adultos mais jovens neste país. Indivíduos no estrato mais baixo de renda, independentemente da idade, apresentaram piores condições de saúde, pior função física e menor uso de serviços de saúde. Os resultados deste trabalho indicam que políticas para reduzir as desigualdades sociais podem contribuir tanto para a melhoria das condições de saúde dos indivíduos mais jovens quanto dos idosos neste país.

Palavras-chave: Desigualdade social e saúde, Envelhecimento, PNAD, Brasil


 

 

Introdução

As desigualdades sociais têm aumentado ao redor do mundo, especialmente em países em desenvolvimento, sendo particularmente acentuadas nas Américas. O Brasil, a Guatemala e o Paraguai ocupam, respectivamente, a segunda, terceira e quarta posições no mundo em termos de concentração de renda (World Bank, 1999). Cerca de 22 milhões de brasileiros podem ser classificados como indigentes e 53 milhões têm renda inferior à linha de pobreza (Paes de Barros et al., 2001).

Existem claras evidências de que a situação socioeconômica desempenha um papel central na determinação da saúde (Marmot & Wilkinson, 1999; Berkman & Kawachi, 2000; Nunes et al., 2001; Duarte et al., 2002). Entretanto, a influência da situação socioeconômica sobre a condição de saúde dos idosos é objeto de controvérsia (Jeffrey, 1996). Essa controvérsia é fruto de resultados discrepantes obtidos em estudos de base populacional realizados principalmente em países da América do Norte e Europa. Enquanto alguns desses estudos mostraram que idosos com melhor situação socioeconômica apresentavam melhores condições de saúde, em comparação aos idosos mais pobres (Maddox & Clark, 1992; Carinley & Arnold, 1996; Robert & House, 1996; Ross & Wu, 1996; Lynch et al., 1997; Berkman & Gurland, 1998; Parker et al., 1999; Liao et al., 1999), outros mostraram que a força dessa associação diminuía ou mesmo desaparecia nas idades mais velhas (Santariano, 1986; Kaplan et al., 1987; Feldman et al., 1989; House et al., 1990, 1994; Sorlie et al., 1995; Elo & Preston, 1996; Beckett, 2000). As hipóteses propostas para explicar a diminuição ou desaparecimento da influência da situação socioeconômica sobre a condição de saúde dos idosos são as seguintes: 1) redução das diferenças de renda após a aposentadoria, diminuindo diferenças entre indicadores sociais e de saúde; 2) diminuição das diferenças de acesso a serviços médicos de qualidade, com reflexos na situação de saúde, devido a políticas para reduzir as desigualdades entre os idosos (como o Medicare nos Estados Unidos) e 3) viés de sobrevivência (pessoas com pior situação socioeconômica e com maiores exposições de risco tendem a morrer mais cedo, reduzindo a probabilidade de participação desse grupo em estudos seccionais da população idosa) e/ou viés devido a não participação (indivíduos institucionalizados não participam de estudos de base populacional) (Berkman & Gurland, 1998).

Um estudo recentemente conduzido em uma amostra representativa da população idosa brasileira, utilizando dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios ­ PNAD/98 (IBGE, 1998), não confirmou as observações acima mencionadas da inexistência de associação entre o nível socioeconômico dos idosos e a condição de saúde. Pelo contrário, os resultados mostraram que os 20% de idosos mais pobres (renda mensal domiciliar per capita < 0,67 salário-mínimo) apresentavam piores condições de saúde, pior função física e menor uso de serviços de saúde, em comparação aos demais (Lima-Costa et al., 2002a). Resultados semelhantes foram observados em outro estudo conduzido na linha de base da coorte de Bambuí, em Minas Gerais (Lima-Costa et al., 2002c).

Pelo nosso conhecimento, não existem trabalhos conduzidos em países em desenvolvimento, comparando as associações existentes entre situação socioeconômica e saúde de idosos e adultos mais jovens. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios ­ PNAD/98 (IBGE, 1998) possui informações que permitem essa comparação. No presente trabalho utilizou-se a base de dados da PNAD/98 para verificar se diferenças na situação socioeconômica afetam igualmente a saúde de idosos e a de adultos mais jovens no Brasil.

 

Metodologia

Fonte de dados

A PNAD, realizada pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, é um inquérito de base populacional com abrangência nacional. Realizada anualmente, a pesquisa tem como objetivo a coleta de informações sobre características demográficas, habitação, educação, trabalho e rendimentos da população brasileira. Em 1998, além desses, foram investigados aspectos referentes à saúde. As informações foram obtidas através de entrevistas domiciliares, realizadas entre os dias 20 e 26 de setembro (IBGE, 1998).

A PNAD baseia-se em uma amostra probabilística de domicílios obtida em três estágios de seleção. No primeiro estágio é feita a seleção dos municípios, que são classificados em auto-representativos, com probabilidade 1 de pertencer à amostra; e em não auto-representativos, com probabilidade de pertencer à amostra proporcional à população residente. No segundo estágio são selecionados os setores censitários, cuja probabilidade de inclusão é proporcional ao número de domicílios existentes no setor. No terceiro estágio, os domicílios são amostrados em cada setor censitário, sendo investigadas as informações relativas a todos os residentes no domicílio. Maiores detalhes podem ser vistos em IBGE (1998).

Todos os participantes da amostra da PNAD/ 98 com idade ³ 20 anos foram selecionados para o presente trabalho (n=203455).

 

Variáveis

Variável dependente

A variável dependente deste trabalho é a renda domiciliar per capita, obtida a partir da divisão da renda total do domicílio (v4614) pelo número de moradores do mesmo (v0105). Considerando-se que o principal foco deste trabalho é a população idosa e que a renda dessa população é mais alta do que a da população mais jovem (Paes de Barros et al., 2001), adotou-se a renda dos idosos como referência para o cálculo da renda domiciliar per capita. Os níveis de renda domiciliar per capita dos idosos foram agrupados em quintis e transformados em salários-mínimos da época (cada=R$130,00). O quintil inferior da distribuição da renda domiciliar per capita dessa população foi R$86,67, correspondendo a 66,7% do salário-mínimo da época (mês de setembro de 1998).

Com relação às faixas etárias utilizadas para comparação neste trabalho, é importante salientar que embora o limite inferior da idade para que o indivíduo seja considerado idoso no Brasil seja ³ 60 anos (Gordilho et al., 2000), no presente trabalho optou-se por um ponto de corte da idade mais alto (³ 65 anos de idade), porque a literatura mostra que a redução da força da associação (ou o seu desaparecimento) entre nível socioeconômico e saúde é observada a partir desta idade (Santariano, 1986; Kaplan et al., 1987; Feldman et al., 1989; House et al., 1990, 1994; Sorlie et al., 1995; Elo & Preston, 1996; Beckett, 2000).

Variáveis independentes

Quatro conjuntos de variáveis independentes foram incluídos no presente trabalho: 1) características sociodemográficas; 2) indicadores da condição de saúde; 3) indicadores de função física; e 4) indicadores de uso de serviços e filiação a plano privado de saúde. As variáveis relativas a quem respondeu a entrevista (se foi outra pessoa ou o próprio entrevistado) também foram consideradas. No banco de dados da PNAD/ 98, a condição de respondente corresponde à variável v1401 para os indicadores de função física e v1301 para os demais indicadores da condição de saúde.

Sexo (v0302), idade (v8005) e a unidade da federação/macrorregião de residência (UF) foram as características sociodemográficas consideradas no presente trabalho.

Entre os indicadores da condição de saúde, os seguintes foram considerados: percepção da própria saúde (v1303 e v1301); ter deixado de realizar quaisquer das atividades habituais por motivo de saúde nas duas últimas semanas (v 1304); ter estado acamado nas duas últimas semanas (v1307); e relato das seguintes doenças crônicas: artrite/reumatismo (v1310), câncer (v1311), diabetes (v1312), bronquite/asma (v 1313), hipertensão (v1314), doença do coração (v1315), doença renal crônica (v1316) e cirrose (v1320). As respostas sobre a percepção da própria saúde foram agregadas em quatro estratos: boa/muito boa; regular; ruim/muito ruim; e ignorada, porque outra pessoa respondeu à entrevista. Os três primeiros estratos foram construídos utilizando-se a variável v1303, e o último utilizando-se v1301. O quarto estrato foi criado para permitir que a percepção da saúde fosse considerada somente nos casos em que a própria pessoa tenha respondido à entrevista. Isso foi feito porque esta percepção envolve aspectos subjetivos que não podem ser captados por outro informante.

Seis variáveis correspondentes à função física foram incluídas neste trabalho: alimentar-se, tomar banho ou ir ao banheiro (v1403); caminhar cerca de 100 metros (v1409); caminhar mais de 1 quilômetro (v1408); subir ladeira ou escada (v1406); abaixar-se, ajoelhar-se ou curvar-se (v1407); correr, levantar objetos pesados, praticar esportes ou realizar trabalhos pesados (v1404). A pergunta relativa ao grau de dificuldade para realizar as atividades acima mencionadas foi feita da seguinte forma: Normalmente por problema de saúde tem dificuldade para...

Entre os indicadores de uso de serviços de saúde, os seguintes foram considerados: procura por atendimento médico nas duas últimas semanas (v1350, v1353 e v1354); número de consultas médicas nos últimos 12 meses (v1348); tempo decorrido após a última visita ao dentista (v1349); número de internações hospitalares nos últimos 12 meses (v1370); e filiação a plano privado de saúde (v1321). Três variáveis foram utilizadas para definir a procura por atendimento médico: 1) nas duas últimas semanas procurou algum lugar, serviço ou profissional de saúde para atendimento relativo à própria saúde? (v1350); 2) excluída procura a farmacêutico (v1353); 3) nesta vez que procurou serviços de saúde foi atendido? (v1354). De acordo com a resposta a essas perguntas, três estratos foram constituídos: procurou e foi atendido, procurou e não foi atendido, e não procurou durante o período considerado.

 

Análise dos dados

A análise dos dados foi realizada, utilizando-se procedimentos para a análise de inquéritos populacionais do programa Stata (Stata, 1997). Esses procedimentos permitem incorporar os pesos distintos das observações. Na presente análise foi incluída a variável "peso da pessoa" (v4729), que equivale ao inverso da fração amostral. A partir das variáveis UF, UPA (delimitação do município) e v4602 (estrato), foi criada uma nova variável, seguindo algoritmo fornecido pelo IBGE (Viacava, comunicação pessoal) para corrigir o efeito do delineamento do estudo. A incorporação dessa nova variável na análise permite obter estimativas aproximadas mais corretas do erro padrão, uma vez que este é influenciado pela conglomeração das unidades e estratificação derivadas do delineamento amostral de múltiplos estágios da PNAD (Pessoa et al., 1997).

A análise da associação entre renda domiciliar per capita e indicadores da condição de saúde, indicadores de função física e de uso de serviços de saúde em cada grupo etário foi feita utilizando-se odds ratios e seus intervalos de confiança (método de Woolf). A regressão logística múltipla (Hosmer & Lemenshow, 1989) foi utilizada para examinar a existência de associação independente entre a situação socioeconômica e as características acima mencionadas. Sexo, idade (variável contínua), respondente e macrorregião de residência, consideradas a priori variáveis de confusão no estudo, foram incluídas em todos os modelos logísticos. A filiação a plano privado de saúde não foi incluída nos modelos ajustados, por ser esta uma variável intermediária na associação entre uso de serviços de saúde e nível socioeconômico. Maiores detalhes podem ser vistos em (Lima-Costa et al., 2002a).

 

Resultados

Entre os 183.728 participantes da amostra com 20-64 anos, 178.229 (97,0%) participaram do presente trabalho. Entre os 19.729 participantes com ³ 65 anos de idade, 19.068 (96,7%) participaram. A não participação foi devida à ausência de informações sobre renda domiciliar. Responderam à entrevista 53,2% de adultos mais jovens e 64,4% dos idosos, tendo sido as restantes respondidas por outra pessoa.

Na tabela 1 está apresentada a distribuição dos indicadores da condição de saúde segundo a faixa etária e a renda domiciliar per capita. Em ambos os grupos etários (20-64 e ³ 65 anos), pior percepção da própria saúde, incapacidade para realizar atividades habituais por problemas de saúde nas duas últimas semanas, ter estado acamado nas duas últimas semanas, relato de artrite/reumatismo e de doença renal crônica foram significativamente mais freqüentes entre aqueles com menor renda domiciliar per capita. Em ambos os grupos, o relato de diabetes foi maior entre aqueles com maior renda domiciliar. O relato de asma/bronquite foi mais freqüente entre idosos com pior situação socioeconômica, população em que foi menos freqüente o relato de câncer e de doença do coração. Hipertensão e cirrose foram relatadas com mais freqüência pelos adultos mais jovens com menor renda domiciliar per capita.

O relato de dificuldades para realizar qualquer das seis atividades indicadoras de função física foi mais freqüente entre indivíduos com menor renda domiciliar per capita em ambos os grupos etários (Tabela 2).

A procura sem atendimento e a não procura por atendimento médico nas duas últimas semanas foram significativamente mais freqüentes entre indivíduos com menor renda domiciliar per capita, tanto na faixa etária de 20-64 quanto na de ³ 65 anos de idade. Em ambos os grupos, menor número de visitas ao médico nos últimos 12 meses e maior tempo decorrido após a última visita ao dentista foram relatados com mais freqüência entre aqueles com pior situação socioeconômica. A filiação a plano privado de saúde foi mais freqüente entre pessoas com maior renda domiciliar per capita, independentemente da faixa etária (Tabela 3).

Após ajustamentos por variáveis de confusão, os seguintes indicadores da condição de saúde permaneceram significativamente associados à pior renda domiciliar per capita, tanto em adultos mais jovens quanto em idosos: pior percepção de saúde, ter deixado de realizar atividades habituais por problemas de saúde nas últimas duas semanas, ter estado acamado nesse período e relato de artrite/reumatismo, de asma/bronquite e de doença renal crônica. O relato de diabetes permaneceu sendo mais freqüente entre aqueles com melhor nível socioeconômico, em ambas as faixas etárias. A história de hipertensão, de doença do coração e de cirrose foi mais freqüente entre adultos mais jovens com pior renda domiciliar per capita em comparação aos demais; entre os idosos essas associações não foram encontradas (Tabela 4).

 

 

Em ambas as faixas etárias, a pior função física (definida por pequena dificuldade, grande dificuldade ou incapacidade para realizar cada uma das seis atividades pesquisadas) esteve associada à pior renda domiciliar per capita, independentemente do sexo, idade dentro do grupo, região de residência e respondente da entrevista. Duas únicas exceções foram observadas: 1) a incapacidade para caminhar cerca de 100 metros apresentou associação independente com a renda domiciliar dos idosos, mas não dos adultos mais jovens; e 2) a pequena dificuldade para correr, levantar objetos pesados, praticar esportes ou realizar trabalhos pesados esteve independentemente associada à renda dos adultos mais jovens, mas não à dos idosos (Tabela 5).

 

 

Todos os indicadores de uso de serviços de saúde estudados, exceto internações hospitalares, apresentaram associações independentes com a renda domiciliar per capita, tanto entre os adultos mais jovens, quanto entre idosos. A procura sem atendimento e a não procura por atendimento médico nas duas últimas semanas foram mais freqüentes entre aqueles com menor renda domiciliar em ambos os grupos etários. Os adultos mais jovens e idosos com pior nível socioeconômico consultaram menos o médico nos últimos 12 meses e, com mais freqüência, consultaram o dentista há mais tempo ou jamais foram a um dentista. Como era de se esperar, a filiação a um plano privado de saúde foi menos freqüente entre aqueles com pior renda domiciliar per capita, nos dois grupos etários. O número de internações hospitalares foi mais alto entre adultos mais jovens com menor renda domiciliar, quando comparados àqueles com maior renda domiciliar, mas entre os idosos essa associação não foi encontrada (Tabela 6).

 

 

Discussão

Os resultados deste trabalho mostram que a situação socioeconômica influencia igualmente a saúde dos idosos e adultos mais jovens deste país. De uma maneira geral, piores condições de saúde, pior função física e menor uso de serviços de saúde estiveram associados com menor renda domiciliar per capita, independentemente do grupo etário.

As forças das associações entre a renda domiciliar per capita e diversos indicadores da condição de saúde, da função física e do uso de serviços de saúde estudados apresentaram uma discreta tendência a serem menores entre os idosos, em comparação aos mais jovens. Mas é importante salientar que a direção das associações encontradas foi a mesma e, na imensa maioria das vezes, os intervalos de confiança dos odds ratios apresentaram-se superpostos.

Os idosos e os adultos mais jovens com pior nível socioeconômico, com mais freqüência, perceberam a sua saúde como pior, tiveram alguma(s) das suas atividades cotidianas comprometida(s) por problemas de saúde, estiveram acamados em tempos recentes e queixaram-se de dificuldades para realizar todas as seis atividades indicadoras de função física. Por outro lado, a influência da situação socioeconômica sobre o relato de doenças crônicas foi menos evidente. Somente artrite/reumatismo, asma/ bronquite e doença renal crônica foram relatadas com mais freqüência por idosos e por adultos mais jovens com menor renda domiciliar per capita. Hipertensão, doença do coração e cirrose foram relatadas com mais freqüência pelos últimos, mas não pelos idosos. Como ressaltado em trabalho anterior (Lima-Costa et al., 2002c), a percepção da saúde, o comprometimento das atividades cotidianas por problemas de saúde, estar acamado e o nível funcional são indicadores mais proeminentes da qualidade de vida do que doenças específicas. Dessa forma, os resultados do presente trabalho mostram que tanto os idosos quanto os adultos mais jovens com pior situação socioeconômica têm pior qualidade de vida relacionada à saúde.

Estudos anteriores desenvolvidos no Brasil (Pinheiro & Travassos, 1999; Lima-Costa et al., 2002 a, b) e em outros países (Gornick et al., 1996) mostraram que os idosos mais pobres utilizam menos serviços de saúde. Os resultados do presente trabalho mostram que esse fenômeno é também observado na população mais jovem brasileira. Tanto os idosos quanto os adultos mais jovens com menor renda domiciliar per capita procuraram menos serviços médicos nas duas semanas anteriores ao estudo (e quando procuram foram menos atendidos), consultaram médicos com menos freqüência, visitaram o dentista há mais tempo e, com maior freqüência, jamais tinham ido ao dentista. Com relação às internações hospitalares, por outro lado, observou-se comportamento diferente entre idosos e adultos mais jovens. Entre os primeiros não foi observada associação entre nível socioeconômico e internações hospitalares. Entre os últimos, aqueles com menor renda familiar foram internados com mais freqüência no ano anterior. Investigações mais profundas são necessárias para que essa diferença possa ser compreendida.

Um assunto emergente na epidemiologia social é a maneira como a situação socioeconômica afeta a saúde durante o curso da vida. Existe, por exemplo, alguma evidência de associação entre doenças cardiovasculares em adultos, baixo peso ao nascer e outros marcadores de pior ambiente intra-uterino. Durante a infância, a situação socioeconômica dos pais influencia o ambiente no qual a criança cresce, aprende e começa a adotar comportamentos que influenciam o desenvolvimento precoce da arteriosclerose. Na fase adulta, as condições de trabalho e o nível de renda afetam o estresse devido ao trabalho e influenciam diretamente o início e a progressão de doenças cardiovasculares. Nas idades mais velhas, a situação socioeconômica influencia a qualidade e a disponibilidade de cuidados médicos, contribuindo para a perda de funções (Lynch & Kaplan, 2000). Os resultados do presente trabalho confirmam essas observações no que se refere ao menor uso de serviços de saúde por idosos com pior situação socioeconômica. Além disso, os resultados mostram que uma pior situação socioeconômica está também associada à menor utilização desses serviços pela população brasileira mais jovem, o que pode estar contribuindo para uma pior condição de saúde desta população.

Com relação a aspectos metodológicos da PNAD/98, em geral, e deste trabalho, em particular, é importante chamar a atenção para o fato de que a renda domiciliar com base nos dados da PNAD/98 possa estar subestimada, como já foi anteriormente ressaltado (Lima-Costa et al., 2002 a). Isso pode ser conseqüência, principalmente, do fato de se considerar na referida pesquisa apenas a renda proveniente do trabalho, da aposentadoria e pensão, desconsiderando-se informações relativas a patrimônio e outros rendimentos (subestimando, portanto, a renda dos estratos mais ricos da população). A influência de possíveis erros na estimativa da renda domiciliar per capita tenderia a diluir as forças das associações entre o nível socioeconômico e os diversos indicadores da condição de saúde, função física e utilização de serviços de saúde. Outra potencial fonte de tendenciosidade em trabalhos utilizando dados da PNAD/98 é proveniente do uso de outro respondente na entrevista. Estudos têm mostrado uma boa concordância entre as informações prestadas pelo próprio entrevistado ou por outro indivíduo, no que se refere a fatores objetivos, entre eles a presença de doenças/condições médicas (Armstrong et al., 1994). No presente trabalho, a condição de respondente não deve ter afetado as estimativas obtidas na análise multivariada, porque esta condição foi considerada a priori uma variável de confusão no estudo. Caso alguma tendenciosidade ainda tenha persistido, ela terá sido não diferencial, diluindo as forças das associações encontradas. Outra possibilidade de viés de classificação no presente trabalho é o ponto de corte utilizado para identificar os idosos mais pobres, que foi o quintil inferior da distribuição da renda domiciliar per capita dos idosos, correspondente a 67% do salário-mínimo da época. Esse valor é inferior ao ponto de corte adotado para determinar a linha de pobreza na maioria das regiões brasileiras (Paes de Barros et al., 2001). Esse viés possivelmente contribuiu para a redução das forças das associações encontradas, porque os grupos com maior renda incluíram pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza. O viés de sobrevivência (indivíduos com pior renda apresentam menor sobrevida) também pode ter contribuído para diminuir as forças das associações entre nível socioeconômico e saúde, sobretudo entre os idosos. Maiores detalhes sobre esses e outros aspectos metodológicos da PNAD/98 podem ser vistos em trabalho anterior (Lima-Costa et al., 2000a).

Em resumo, os resultados do presente trabalho mostram que a situação socioeconômica afeta igualmente a saúde de idosos e de adultos mais jovens neste país. Indivíduos no estrato mais baixo da renda domiciliar per capita (< 0,67 salários-mínimos), independentemente da idade, apresentam piores condições de saúde, pior função física e menor uso de serviços de saúde. É possível que a influência da situação socioeconômica sobre os fatores acima mencionados esteja subestimada no presente trabalho, uma vez que foram identificadas diversas fontes de vieses que podem ter reduzido a magnitude das associações encontradas. Como já observado anteriormente para a população idosa (Lima-Costa et al., 2002a, c), a relação entre pior nível socioeconômico e saúde foi mais visível em relação ao uso de serviços de saúde e indicadores gerais da condição de saúde (pior percepção da própria saúde, incapacidade para realizar atividades devido a problemas de saúde e ter estado recentemente acamado), que são importantes expressões da qualidade de vida relacionada à saúde, do que em relação a doenças/condições crônicas específicas. A menor utilização de serviços de saúde neste país pelas pessoas com pior nível socioeconômico pode estar contribuindo para as piores condições de saúde observadas entre idosos e adultos mais pobres, sendo esta situação ainda mais preocupante quando se considera que o acesso aos serviços médicos no Brasil é um direito constitucional. Os resultados deste trabalho indicam que políticas para reduzir as desigualdades sociais podem contribuir tanto para a melhoria das condições de saúde dos indivíduos mais jovens quanto dos idosos neste país.

 

Agradecimentos

Agradecemos ao dr. Francisco Viacava por gentilmente nos repassar o algoritmo fornecido pelo IBGE para corrigir o efeito do delineamento amostral da PNAD/98 e ao dr. Henrique L. Guerra pela valiosa ajuda para a incorporação dessa informação ao banco de dados. M. F. Lima-Costa e S. Barreto possuem bolsas de produtividade em pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

 

Referências bibliográficas

Armstrong BK, White E, Saracci R 1994. Principles of exposure measurement in epidemiology, pp. 221-222. Monographs on Epidemiology and Bioestatistics, vol. 21. Oxford University Press.        

Beckett M 2000. Converging health inequalities in later-life: an artifact of mortality selection. Journal of Health and Social Behaviour 41:106-119.        

Berkman CS & Gurland BJ 1998. The relationship among income, other socioeconomic indicators, and functional level in older persons. Journal of Aging and Health 10:81-98.        

Berkman LF & Kawachi I 2000. Social epidemiology. Oxford University Press, Oxford.        

Carinley J & Arnold R 1996. Social class, health and aging: socioeconomic determinants of self-reported morbidity among non-institutionalized elderly in Canada. Canadian Journal of Public Health 87:199-203.        

Duarte EC et al. 2002. Epidemiologia das desigualdades em saúde no Brasil: um estudo exploratório. Organização Pan-Americana da Saúde, Brasília.        

Elo IT & Preston SH 1996. Educational differentials in mortality: United States, 1979-85. Social Science & Medicine 42:47-57        

Feldman JB, Markuc DM, Kleinman JC & Coroni-Huntley J 1989. National trends in educational differentials in mortality. American Journal of Epidemiology 129:919-933.        

Fundação IBGE 1998. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio de Janeiro, Brasil. Disponível em <www.ibge.gov.br/ibge/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad98/
default.shtm
>

Gordilho A et al. 2000. Desafios a serem enfrentados no terceiro milênio pelo setor saúde na atenção integral aos idosos. UNATI (UERJ), Rio de Janeiro.        

Gornick ME et al. 1996. Effects of race and income on mortality and use of services among Medicare beneficiaries. New England Journal of Medicine 335:791-799.        

Hosmer DW & Lemenshow S 1989. Applied logistic regression. Johns Wiley and Sons, Nova York.        

House JS et al. 1990. Age, socioeconomic status and health. The Milbank Quarterly 68:383-411.        

House JS et al. 1994. The social stratification of aging and health. Journal of Health and Social Behaviour 35: 213-234.        

Jeffrey M 1996. Editorial: Social inequalities in health ­ do they diminish with age? American Journal of Public Health 86:474-475.        

Kaplan GA, Seeman TE, Cohen RD, Knudsen LP & Guralnik J 1987. Mortality among the elderly in the Alameda Country Study: behavioural and demographic risk factors. American Journal of Public Health 77:307-312.        

Liao Y, McGee DL, Kaufman JS, Cao G & Cooper RS 1999. Socioeconomic status and morbidity in the last years of life. American Journal of Public Health 89: 569-572.        

Lima-Costa MF, Barreto S, Giatti L & Uchoa E. 2002a. Desigualdade social e saúde entre idosos brasileiros: um estudo utilizando dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (PNAD/98). Cadernos de Saúde Pública (a ser publicado).        

Lima-Costa MF, Guerra HL, Firmo JAO, Vidigal PG, Uchoa E & Barreto SM 2002b. The Bambuí Health and Ageing Study (BHAS): private health plan and medical care utilization by older adults. Cadernos de Saúde Pública 18:177-186.        

Lima-Costa MFF, Uchoa E, Barreto SM, Firmo JOA & BHAS Group 2002c. Socioeconomic position and health in a population of Brazilian elderly: the Bambuí Health and Ageing Study (BHAS).        

Lynch JW, Kaplan GA & Shema SJ 1997. Cumulative impact of sustained economic hardship on physical, cognitive, psychological, and social functioning. New England Journal of Medicine 337:1.889-1.895.        

Lynch J & Kaplan G 2000. Socioeconomic position, pp.13-35 In Berkman L & Kawachi I. Social Epidemiology. Oxford University Press, Oxford.        

Maddox GL & Clark DO 1992. Trajectories of functional impairment in later life. Journal of Health and Social Behaviour 33:114-25.        

Marmot M & Wilkinson RG 1999. Social determinants of health. Oxford University Press, Oxford.        

Nunes A, Santos JRS, Barata RB & Vianna SM 2001. Medindo as desigualdades em saúde no Brasil: uma proposta de monitoramento. Organização Pan-Americana de Saúde, Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas, Brasília.        

Paes de Barros R, Henriques R, Mendonça R 2001. A estabilidade inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil. Texto para Discussão no. 800. IPEA, Rio de Janeiro.        

Paes de Barros, Mendonça R, Santos D 1999. Incidência e natureza da pobreza entre idosos no Brasil. Texto para Discussão no. 686. IPEA, Rio de Janeiro.        

Parker MG, Ahacic K, Thorslund M & Lundberg O 1999. Socioeconomic status and health among elderly people in Sweden. Annals of the New York Academy of Science 896:383-385.        

Pessoa DGC, Silva PLN, Duarte RPN 1997. Análise estatística de dados de pesquisas por amostragem: problemas no uso de pacotes-padrão. Revista Brasileira de Estatística 58 (210):53-75.        

Pinheiro RS & Travassos C 1999. Estudo da desigualdade na utilização de serviços de saúde por idosos em três regiões da cidade do Rio de Janeiro. Cadernos de Saúde Pública 15:487-496.        

Robert S & House JS 1996. SES differentials in health by age and alternative indicators of SES. Journal of Aging Health 8(3):359-388.        

Ross CE & Wu CL 1996. Education, age, and the cumulative advantage in health. Journal of Health and Social Behaviour 37:104-120.        

Santariano WA 1986. Race, socioeconomic status, and health: a study of age differences in a depressed area. American Journal of Preventive Medicine 2:1-5.        

Sorlie PD, Backlund E & Keller JB 1995. US mortality by economic, demographic, and social characteristics: the National Longitudinal Mortality Study. American Journal of Public Health 85: 903-905.        

Stata Statistical Software (computer program). 1997. Release 6.0 College Stations. Stata Corporation, Texas.        

World Bank. World Development Report 1988/99. 1999. World Bank, Washington, USA.        

 

 

Endereço para correspondência
Maria Fernanda Lima-Costa
lima-costa@cpqrr.fiocruz.br

Artigo apresentado em 18/9/2002
Aprovado em 14/10/2002
Versão final apresentada em 16/10/2002

 

 

1 Núcleo de Estudos em Saúde Pública e Envelhecimento (Nespe). Centro de Pesquisas René Rachou da Fundação Oswaldo Cruz e Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Av. Augusto de Lima 1.715, 30190-002, Belo Horizonte MG

ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: revscol@fiocruz.br