CRIAÇÃO

 

Da leitura... à ruptura do representacional*

 

 

Mariangela Quarentei1

 

 

". . . Simetria. Pura simetria. Não existe.

(Ele (David Tudor) trabalhou por muitos anos, e, à medida que trabalhava, sua técnica melhorava, mas preferiu conservar as inaptidões para revelar ao contrário, não algo perfeito mas algo que mostrasse que tinha estado vivo enquanto o fazia) . . ."

CAGE 2

DA LEITURA

de onde vem a potência das palavras escritas?
como se dá essa potência?
como palavras escritas carregam/ ou são carregadas do vivo?
. . . de intensidades? . . . de movimentos?

como palavras-escritas-lidas podem romper com o representacional?
não representar?
como do ler pode-se romper (isto é mais um fazer fissuras . . . abrir) com
as representações?

Quando escrever é por nós humanos explorado, experimentalizado como nos aforismas de Nietzsche, na prosa porosa de Augusto de Campos, na inventividade visual da poesia concreta... nos livros de Cage e . . . em tantos outros escreveres, . . . então, acontece da palavra escrita impregnar-se profundamente de vida e força.

Ler é da ordem do vital . . . processo/ processualidade . . . como descrito por S. Kelleman3 e nomeado embodying-experience, feito da qualidade pulsátil do vivo e de seu impulso à formatividade . . . continuum emergência-produção de corpos . . . novos corpos. . . , não re-apresentações , . . . novas afirmações.

"Jamais encontraremos o sentido de alguma coisa (fenômeno humano, biológico ou até mesmo físico) se não sabemos qual a força que se apropria da coisa, que a explora, que dela se apodera ou nela se exprime ".

Deleuze em " Nietzsche e a filosofia"

 

ALGUM NIETZSCHE4

(palavras recolhidas de Muller-Lauter 5 em "O Desafio Niestzche")

 

NIETZSCHE SISMÓGRAFO

FATALIDADE / TERREMOTO

" CAMPO DE BATALHA "

AMBIÇÃO

DESAFIO

o que registra oscilações - oscilando

contra- dizendo

que torna insustentável por impacto/abalo

Nietzsche por ele mesmo: . . . " sou dinamite ".

Campo de batalha: contradizer-se em muitos

"aspectos do corpo e da alma".

pensador de problemas

não sistêmico, não por oposição mas por diferença:

difere

vive de suas tensões imanentes.

não há conclusão, só estilo: aforismas

contra-filosofia = nietzsche-vontade-de-potência

nômade: estilo de deslocar-se

deslocar-se: potência para NÃO "atar a ordem,

a clareza,

a sistematicidade

ao verdadeiro ser das coisas".

" APHORISMÓS " - NIETZSCHE

Experimento/ar com o pensamento

CONCISÃO/ concentração de tempo... como rocha/cristal

CAUTELA

a insolvência pede genealogia

O INESPERADO é rápido/veloz

é absolutamente próximo e,

LANÇA.

O INTERPRETAR é amigo do lento e do infinito/diverso

"e cada um interpretará por si . . . especialmente . . .

por que temos de dar nossos olhos por isso ".

livres do racionalismo-coerência-correspondência

... para o dom do achado, da descoberta

mas, também, no mar à deriva . . .

a cuidar da humana, demasiadamente humana

eqüivocidade.

NIETZSCHE . . .

FÁCIL DE LER

DE DIFÍCIL LEITURA

 

 

* Parte de ensaio apresentado na disciplina Epistemologia e Psicologia do Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica, PUC/SP, 1995.
1 Departamento de Neurologia e Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Botucatu/UNESP
2 CAGE, J. De segunda a um ano. São Paulo: Hucitec, 1985.
3 Kelleman, S é um pensador e clínico do campo das psicoterapias corporais; é criador de um corpo teórico que vem chamando de Psicologia Formativa ou Filosofia Somática, profundamente articulado à Biologia.
4 Tudo que neste experimento "Algum Niestzche" está entre aspas é de Niestzche.
5Muller-Lauter, W. O Desafio Nietzsche. In: Revista Discurso n.21, p. 7-29, São Paulo, Departamento de Filosofia da USP, 1993.

UNESP Botucatu - SP - Brazil
E-mail: intface@fmb.unesp.br