LIVROS

 

 

Marco Antonio Separavich

Departamento de Medicina Preventiva e Social, FCM, UNICAMP. Rua Tessália Vieira de Camargo,126. Barão Geraldo, Campinas, SP, Brasil. 13083-887. mseparavich@hotmail.com

 

 

GOMES, R. A saúde do homem em foco. São Paulo: Editora Unesp, 2010. (Saúde e Cidadania).

Lançado em outubro de 2010, o livro A saúde do homem em foco, do educador e pesquisador em Ciências Sociais e Humanas em Saúde, Romeu Gomes, traz informações esclarecedoras e úteis sobre comportamentos, agravos e conceitos que envolvem a saúde masculina.

Com o recente lançamento da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH), pelo Ministério da Saúde, que busca facilitar o acesso aos serviços de Saúde dos homens que, conforme aponta a literatura especializada, não procuram os cuidados de saúde, o tema tem proliferado na mídia.

Neste sentido, o livro é bem-vindo, pois contribui para divulgar informações mais criteriosas sobre a saúde masculina.

Professor titular do Instituto Fernandes Figueira da Fundação Oswaldo Cruz/RJ, pesquisador competente e pioneiro, no Brasil, nos estudos sobre saúde do homem e masculinidades, Gomes convida o leitor para uma "conversa sobre um assunto que os homens não costumam falar"(p.7): sua saúde. Contribui para estabelecer esse diálogo a forma simples, didática e franca com a qual expõe conceitos complexos que frequentemente envolvem o tema, tais como: gênero, estilos de masculinidades, saúde, sexualidade, violência, entre outros.

O livro tem o formato de pocket book, um pouco menos de cem páginas, ausência de notas de rodapé, glossário para esclarecer o público leigo sobre os termos técnicos utilizados, o que facilita a leitura, e integra a Coleção Saúde e Cidadania, da Editora Unesp. É dirigido ao cidadão comum, do sexo masculino, não excluindo, no entanto, como sublinhado pelo pesquisador, as mulheres desta conversa, já que o ponto de partida e o fio condutor do texto é o conceito de gênero, pressupondo, assim, o enfoque relacional.

No 1º capítulo, a partir da pergunta "o que é ser homem?", o autor define sinteticamente, mas de forma pontual, gênero como as características impostas aos homens e mulheres no processo de socialização para diferenciar "alguém do sexo masculino do sexo feminino"(p.14). Ressalta a ideia de modelos de comportamentos socialmente esperados para ambos os sexos, que comumente se apresentam estereotipados e tendem a ser internalizados, pensados e reforçados no interior da sociedade.

Buscando esclarecer o conceito de gênero ao público leitor, partindo do repertório da cultura popular, o educador se serve de passagens literárias e musicais - como quando cita a letra da música Super-homem, de Gilberto Gil, para mostrar a existência da ilusão, no imaginário social, de que ser homem é ser bruto, forte, agressivo, autônomo, enfim, ser portador de uma masculinidade idealizada que se contrapõe à ideia do feminino como delicado, fraco, sensível e dependente.

Se, por um lado, essas características fazem parte de um modelo ideal de ser homem, de uma masculinidade hegemônica, por outro, Gomes traz algumas falas de entrevistados de suas pesquisas que apontam para a factibilidade parcial do mesmo no cotidiano da vida, pois, "há homens delicados, e outros não; tem homem agressivo e outro já é mais calmo"(p.21), ou seja, homens com características socialmente valorizadas como masculinas e outros tantos com aquelas tidas por femininas, que não deixam de ser, todavia, homens.

É esse processo de alteridade que está para além das diferenças corporais, de se perceber diferente, mas também semelhante às mulheres, que pauta as considerações do autor sobre masculinidades e sustenta a sua definição de ser homem, qual seja, "ser uma pessoa que sente, pensa e vive [...] e [que é] capaz de amar outra pessoa"(p.24).

No 2º capítulo são apresentados dados epidemiológicos sobre as causas principais de morte e adoecimento de homens e mulheres. Doenças isquêmicas do coração, cerebrovasculares, homicídios, acidentes em transportes terrestres e doenças crônicas das vias respiratórias inferiores ocupam, no caso masculino, respectivamente, os cinco primeiros lugares. Já entre as mulheres, homicídios e acidentes não figuram como causas significativas.

Destaca-se que tanto os agravos à saúde quanto as enfermidades em si não se relacionam somente às causas biológicas, encontrando-se intersectados por modelos culturais de gênero que esculpem estilos de vida específicos para cada um dos sexos. Assim, numa sociedade em que poder, força e êxito integram o ideal perseguido de uma masculinidade exemplar, os riscos para se atingir tais fins são assumidos pelos homens como um valor, o que pode comprometer sua saúde e daqueles que os rodeiam.

A própria ideia do cuidado de si obedece a essa lógica, onde prevenção de adoecimentos e cuidado com a saúde são socialmente concebidos como características femininas, expressos exemplarmente na figura da mãe zelosa e da esposa/companheira cuidadora de si e dos membros da família.

No entanto, como aponta o autor, essa masculinidade tradicional encontra em certos segmentos da mídia um contraponto, como em algumas revistas que procuram incentivar o homem ao autocuidado do corpo e da saúde, mas cabem ressalvas citadas no texto. Primeiramente, não são dirigidas aos homens em geral, mas a um público específico, ao homem branco, de classe média ou alta, na faixa etária entre vinte e cinquenta anos. Em segundo lugar, valoriza-se a estética do corpo musculoso, de formas esculturais, modelo corporal idealizado para ambos os gêneros. Por fim, há o forte apelo ao aprimoramento do desempenho sexual, reiterando o ideário individualista vigente na sociedade, no qual o sucesso em todos os campos da vida (profissional, sexual etc.) depende única e exclusivamente do cidadão, visto antes como consumidor de produtos e serviços.

No 3º capítulo são trabalhados temas referentes à sexualidade masculina. Além de esclarecer as preocupações mais comuns dos homens, tais como problemas com a ereção, ejaculação precoce e o tamanho do pênis, há a distinção entre comportamento e conduta sexuais. Enquanto no primeiro termo há o aspecto generalizante da libido a mover a ação sexual, assumindo a sexualidade um caráter supostamente individualizado, ao se referir à conduta sexual, o autor enfatiza os significados atribuídos às práticas sexuais, notadamente influenciados pela cultura em que se vive.

Em termos gerais, a conduta sexual socialmente esperada dos homens é a heterossexualidade, sendo estimulada uma masculinidade heterossexual ostensiva, na qual a quantidade de parceiras se configura como um atestado de ser "mais homem" tanto para si quanto para seus pares, ou na ideia particularmente preconceituosa de "homem que é homem não usa camisinha".

Aqui, o papel masculino na prevenção das doenças sexualmente transmissíveis (DST) e AIDS é destacado, pois há certas formas de viver a masculinidade que colocam em risco a saúde sexual não só do homem, mas também de outras pessoas. É necessário, portanto, como aponta Gomes, que uma parcela significativa dos homens supere preconceitos e respeite os direitos sexuais; aliás, o respeito às diferenças culturais e de sexo, cor, orientação sexual e classe social são fundamentais para que os direitos reprodutivos e sexuais possam ser assegurados.

No 4º e último capítulo discorre-se sobre o prejuízo da violência na vida de homens e mulheres. Numa definição concisa da pesquisadora Maria Cecília Minayo, "a violência consiste no uso da força, do poder e de privilégio para dominar, submeter e provocar danos a outros: indivíduos, grupos e a coletividade" (p.70).

O pesquisador ressalta o caráter complexo de tal fenômeno, não sendo possível uma definição completa, mas aponta características que a delineiam: é universal, essencialmente de origem social, perpassada pelas relações sociais, em nossa sociedade, sobretudo, pelas de gênero e de classe.

Quando se atenta para a violência de gênero, é comum se dizer que os homens são "naturalmente violentos". A naturalização da violência masculina torna-se tanto mais tenaz à medida que os indicadores epidemiológicos expressam dados da realidade social: o homem é, ao mesmo tempo, o maior causador e vítima de atos violentos.

Trata-se, como sublinha Gomes, no caso da violência intergenérica, de um modelo de gênero, no qual se atribui ao homem o papel de domínio e à mulher o de submissão. Assim, pode-se explicar, em parte, a violência doméstica como a busca pelo predomínio do poder masculino no âmbito privado.

Mas, há também a violência intragenérica, perpassada por eixos que constituem o sujeito social, tais como cor, classe e orientação sexual. Com relação à sexualidade, a padronização do modelo da conduta heterossexual pode levar homens a verem outros que não comungam desse mesmo padrão de orientação sexual como doentes, pervertidos moralmente, "menos homens", e a partir daí deflagrar um processo de violência, por meio de agressões físicas, verbais etc., tendo por base a homofobia.

Embora seja um fenômeno social complexo, o autor sugere alguns passos para a prevenção da violência. É na informação e no esclarecimento dos homens que reside a saída para a diminuição do processo de violência. A divulgação das ideias de que antes de serem homens são pessoas, que não existe um modelo único de masculinidade, de ser homem, e que todos têm direitos de fazer suas escolhas, e que devem, por seu turno, ser respeitadas, constituem o início desse processo.

Terminando a conversa, Romeu Gomes tece algumas considerações sobre os cuidados que os homens devem ter para com sua saúde: fazer exercícios físicos regularmente, cuidados com a alimentação, beber água constantemente, o prejuízo do uso de drogas lícitas e ilícitas, a necessidade de se evitar o estresse, e a responsabilidade com a manutenção da própria saúde, com a ida regular aos serviços de saúde.

Enfim, ao final do livro nos fica a certeza de que não somente o público leigo irá se beneficiar com a leitura, mas também os profissionais e pesquisadores de Saúde, pois, ao apresentar os problemas e temas que envolvem a saúde masculina, de forma clara e simples, contudo, não menos profunda, o autor possibilita que o olhar sobre os homens se amplie, ficando para trás preconceitos tradicionalmente arraigados em nossa cultura, que impedem de vê-los não como grandes ou pequenos homens, mas, mais próximos do que realmente são.

 

 

Recebido em 01/03/11.
Aprovado em 06/04/11.

UNESP Botucatu - SP - Brazil
E-mail: intface@fmb.unesp.br