Cárie dentária em escolares de 12 anos: análise multinível dos fatores individuais e do ambiente escolar em Goiânia

Lorena Batista de Oliveira Rafael da Silveira Moreira Sandra Cristina Guimarães Bahia Reis Maria do Carmo Matias Freire Sobre os autores

Resumo

O objetivo deste estudo foi investigar a associação entre o índice de cárie em escolares de 12 anos e fatores individuais e contextuais relacionados às escolas no município de Goiânia, Goiás. Estudo transversal realizado em 2.075 escolares, com base na metodologia da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal de 2010. A variável dependente foi o índice dentes permanentes cariados, perdidos e restaurados (CPOD) e as variáveis independentes foram individuais (sexo, cor/raça e escolaridade da mãe) e contextuais (natureza administrativa da escola, distrito sanitário e presença de programas de saúde bucal). Foi realizada análise multinível e regressão log-linear binominal negativa, considerando o plano complexo de amostragem. O CPOD médio foi 1,51. Escolares do sexo feminino, cujas mães tinham menor escolaridade, que frequentavam escolas públicas localizadas nos distritos com os piores indicadores socioeconômicos e com cobertura pela Estratégia Saúde da Família apresentaram índices de cárie mais elevados. O índice de cárie foi baixo e associado a fatores individuais e contextuais do ambiente escolar, evidenciando iniquidades em sua distribuição.

Saúde escolar; Índice CPO; Cárie dentária; Fatores socioeconômicos; Serviços de saúde bucal; Análise multinível


INTRODUÇÃO

Apesar das melhorias ocorridas na saúde bucal das populações em vários países, ainda persistem problemas mundiais que requerem ações para a sua superação1Petersen PE, Bourgeois D, Ogawa H, Estupinan-Day S, Ndiaye C. The global burden of oral diseases and risks to oral health. Bull World Health Organ 2005; 83(9): 661-9.. A cárie dentária é considerada um importante problema de saúde pública em todo o mundo devido à dor e ao sofrimento causados aos indivíduos, ao alto custo do seu tratamento e ao impacto na qualidade de vida. Existe evidência de que a distribuição da doença na população tanto de países desenvolvidos quanto daqueles em desenvolvimento acontece de forma desigual, sendo fortemente relacionada à condição socioeconômica2Hobdell MH, Oliveira ER, Bautista R, Myburgh NG, Lallo R, Narendran S, et al. Oral disease and socio-economic status (SES). Br Dent J 2003; 194(2): 91-6.

Petersen PE, Kwan S. Equity, social determinants and public health programmes: the case of oral health. Community Dent Oral Epidemiol 2011; 39(6): 481-7.
- 4Pitts N, Amaechi B, Niederman R, Acevedo AM, Vianna R, Ganss C, et al. Global oral health inequalities: dental caries task-group research agenda. Adv Dent Res 2011; 23(2): 211-20.. A saúde bucal dos escolares de 12 anos tem sido investigada em inquéritos epidemiológicos em todo o mundo, como indicador do ataque de cárie na dentição permanente. Na escola geralmente pode ser obtida uma amostra confiável e operacionalmente mais simples, por meio do sistema de ensino.

No Brasil, diversos trabalhos analisaram a natureza administrativa da escola como indicador do nível socioeconômico dos escolares e mostraram índices de cárie mais elevados em escolas públicas quando comparadas às particulares5Freire MCM, Reis SCGB, Gonçalves MM, Balbo PL, Leles CR. Condição de saúde bucal em escolares de 12 anos de escolas públicas e privadas de Goiânia, Brasil. Rev Panam Salud Publica 2010; 28(2): 86-91. , 6Cypriano S, Hugo FD, Sciamarelli MC, Tôrres LHN, Sousa MLR, Wada RS. Fatores associados à experiência de cárie em escolares de um município com baixa prevalência de cárie dentária. Ciênc Saúde Coletiva 2011; 16(10): 4095-5106.. A influência da localização geográfica da escola também tem sido investigada e há evidências de que escolares de instituições localizadas em regiões com melhor condição socioeconômica apresentam menores índices de cárie dentária7Antunes JL, Frazão P, Narvai PC, Bispo CM, Pegoretti T. Spatial analysis to identify differentials in dental needs by area-based measures. Community Dent Oral Epidemiol 2002; 30(2): 133-42. , 8Moura C, Cavalcanti AL, Bezerra PKM. Dental caries prevalence in 12-year-old schoolchildren in the city of Campina Grande, Paraíba, Brazil: a socioeconomic approach. Rev Odonto Ciênc 2008; 23(3): 256-62.. A presença de programas de saúde é outro fator do ambiente escolar que pode ser investigado em relação à cárie.

Considerando que a saúde pode ser influenciada por fatores individuais e fatores contextuais ou do meio ambiente, a utilização de métodos estatísticos de análise multinível permite um melhor tratamento dos dados, uma vez que as observações passam a ter uma estrutura hierárquica9Merlo J, Chaix B, Yang M, Lynch J, Rástam L. A brief conceptual tutorial of multilevel analysis in social epidemiology: linking the statistical concept of clustering to the idea of contextual phenomenon. J Epidemiol Community Health 2005; 59(6): 443-9..

Poucos estudos utilizaram essa abordagem em escolares brasileiros e foram realizados com base nos inquéritos nacionais de saúde bucal e em município da Região Sudeste1010 Antunes JL, Peres MA, Mello TRC, Waldman EA. Multilevel assessment of determinants of dental caries experience in Brazil. Community Dent Oral Epidemiol 2006; 34(2): 146-52.

11 Moreira RS, Nico LS. Aspectos contextuais da ausência de cárie em escolares de 12 anos no Brasil, em três períodos históricos. Rev Odontol UNESP 2010; 39(5): 263-70.
- 1212 Martins MT, Sardenberg F, Abreu MH, Vale MP, Paiva SM, Pordeus IA. Factors associated with dental caries in Brazilian children: a multilevel approach. Community Dent Oral Epidemiol 2014; 42(4): 289-99.. Investigações sobre os fatores contextuais relacionados às escolas podem contribuir para ampliar o conhecimento acerca dos determinantes da cárie dentária nesse grupo populacional, além de serem importantes para o planejamento e a avaliação das ações de saúde a nível local. Ademais, a realização de estudos em municípios de regiões brasileiras pouco investigadas pode contribuir para elucidar as prováveis desigualdades sociais na distribuição da cárie dentária no país. Nessa perspectiva, o objetivo deste estudo foi investigar a associação entre o índice de cárie dentária em escolares de 12 anos e fatores individuais e contextuais relacionados às escolas no município de Goiânia, Goiás, em 2010, utilizando a abordagem multinível.

MÉTODOS

TIPO DE ESTUDO E FONTE DOS DADOS

Foi realizado estudo transversal utilizando dados do levantamento epidemiológico de saúde bucal em escolares de 12 anos de idade em Goiânia, Goiás, no ano de 2010. A metodologia da pesquisa foi de acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde Bucal de 20101313 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento da Atenção Básica. SB Brasil 2010: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.. Os exames clínicos foram realizados de acordo com os critérios de diagnóstico da Organização Mundial de Saúde (OMS)1414 World Health Organization (WHO). Oral health surveys: basic methods. Geneva: WHO; 1997..

Para o estudo das variáveis referentes ao ambiente escolar, foram utilizados dados secundários obtidos na Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia.

AMOSTRA

A amostra constituiu-se de escolares de 12 anos, de ambos os sexos, que frequentavam escolas públicas e privadas da área urbana, localizadas nos 7 Distritos Sanitários (DS) do município. Cada DS constitui uma área geográfica com população específica, com finalidade administrativa.

Aplicou-se a técnica de amostragem por conglomerados em duplo estágio, em que inicialmente foram sorteadas as unidades primárias (escolas) nos DS e, em seguida, as unidades de segundo estágio (escolares). O processo de sorteio das escolas foi realizado de forma ponderada e aleatória, no qual cada escola de cada DS possuía uma probabilidade igual de participar da amostra, relativa à sua contribuição para o total de escolas e escolares na categoria especificada1414 World Health Organization (WHO). Oral health surveys: basic methods. Geneva: WHO; 1997..

De acordo com os dados obtidos nas Secretarias de Educação do município de Goiânia e do Estado de Goiás, o número total de escolares de 12 anos matriculados em 2009 era de 17.911. Para o cálculo do tamanho mínimo da amostra utilizou-se a fórmula para conhecer a prevalência de doença em populações infinitas, disponível no programa EpiInfo versão 3.5.1. Considerando o intervalo de confiança de 95% (IC95%), margem de erro amostral de 2% e prevalência de cárie de 65,3%, encontrada em 20035Freire MCM, Reis SCGB, Gonçalves MM, Balbo PL, Leles CR. Condição de saúde bucal em escolares de 12 anos de escolas públicas e privadas de Goiânia, Brasil. Rev Panam Salud Publica 2010; 28(2): 86-91., o número mínimo de alunos para participar da pesquisa foi de 2.171. Para evitar possíveis vieses de amostragem por conglomerados, foi necessária uma correção de forma simplificada e conservadora, multiplicando o tamanho da amostra por 1,2. Obteve-se, portanto, uma amostra final de 2.605 indivíduos.

Para calcular a quantidade de escolas, foi utilizada uma fórmula que consistiu na multiplicação do número de escolas existentes pelo número de crianças em idade escolar da amostra, dividido pelo número total de alunos de 12 anos em Goiânia, obtendo-se uma amostra de 41 escolas. O total de escolares foi distribuído proporcionalmente pelos sete DS do município: Campinas-Centro, Leste, Noroeste, Norte, Oeste, Sudoeste e Sul.

COLETA DOS DADOS

A experiência de cárie na dentição permanente foi pesquisada por seis equipes compostas por uma cirurgiã-dentista e uma anotadora. O processo de calibração foi realizado durante a Pesquisa Nacional de Saúde Bucal1313 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento da Atenção Básica. SB Brasil 2010: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.. O coeficiente Kappa interexaminadores para a cárie de coroa variou de 0,708 a 0,899, apresentando uma boa reprodutibilidade.

Os exames intrabucais foram realizados nas escolas, sob luz natural, com as examinadoras e os escolares sentados em cadeiras escolares um de frente ao outro. Os instrumentos utilizados foram o espelho bucal plano e a sonda periodontal da OMS.

Durante o exame e a partir dos registros do estudante na escola, foram coletadas informações sobre as seguintes características demográficas e socioeconômicas dos estudantes: sexo, cor ou raça autorrelatada e escolaridade da mãe (anos de estudo).

VARIÁVEIS ESTUDADAS

A variável dependente foi o número de dentes cariados, perdidos ou obturados/restaurados (índice CPOD). As variáveis independentes foram estudadas em duas disposições: variáveis individuais (sexo, raça/cor da pele do escolar e escolaridade da mãe) e contextuais relacionadas às escolas (natureza administrativa, localidade geográfica por DS e presença de programas de saúde).

Para a descrição da cor ou raça do escolar foi utilizado o critério proposto pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base em autodeclaração: branca, preta, amarela, parda ou indígena. As categorias foram agrupadas em "branco" e "não branco". O nível de escolaridade da mãe foi baseado nos anos de estudo, que foram categorizados segundo as normas do Sistema Escolar de Ensino Brasileiro: menos de 8, de 8 a 11 e mais de 11 anos.

Para o estudo dos fatores contextuais, que constituem as características do ambiente social no qual o indivíduo está inserido, foram investigadas as seguintes variáveis relacionadas às escolas: natureza administrativa (pública e privada), localidade geográfica por DS do município e cobertura por programas de saúde pública com enfoque em saúde bucal. Os programas foram: Estratégia de Saúde da Família (ESF) com Equipes de Saúde Bucal (ESB), Programa de Escovação Supervisionada (PES) e Programa de Atenção Odontológica ao Escolar (PAOE). Os dois últimos foram analisados separadamente e em conjunto.

De acordo com as informações das autoridades locais, foi possível agrupar os sete DS em três categorias, conforme suas características socioeconômicas, tais como condições de saneamento, condições de moradia e nível de renda. O DS Campinas-Centro apresentou os melhores indicadores e foi categorizado como Grupo I; os DS Norte, Sul e Leste, com indicadores intermediários, foram agrupados como Grupo II; e os DS Sudoeste, Oeste e Noroeste, com os piores indicadores, foram incluídos no Grupo III.

Os três programas de saúde nas escolas eram realizados pela Secretaria Municipal de Saúde do município. O PAOE foi criado em 1986 com o objetivo de promover melhorias nas condições de saúde bucal dos escolares de 6 a 14 anos matriculados na rede municipal, por meio de ações de caráter educativo, preventivo e curativo. O PES foi criado em 1992 e é desenvolvido entre escolares de instituições públicas municipais por meio de escovação diária com creme dental fluoretado após a refeição na escola. A ESF com equipes de saúde bucal teve início em Goiânia em 2004, incluindo ações educativas nas escolas da rede pública e tratamento odontológico aos escolares residentes na área de abrangência da estratégia.

ANÁLISE DOS DADOS

Inicialmente foi realizada estatística descritiva do índice de cárie (CPOD) e seus componentes. Variáveis contextuais e individuais foram então descritas de acordo com a média do CPOD, considerando a amostra complexa e os pesos amostrais por escola1515 Szwarcwald CL, Damacena GN. Amostras complexas em inquéritos populacionais: planejamento e implicações na análise estatística dos dados. Rev Bras Epidemiol 2008; 11(Suppl 1): 38-45..

Foi empregada a análise multinível9Merlo J, Chaix B, Yang M, Lynch J, Rástam L. A brief conceptual tutorial of multilevel analysis in social epidemiology: linking the statistical concept of clustering to the idea of contextual phenomenon. J Epidemiol Community Health 2005; 59(6): 443-9. para o posterior ajuste de determinantes individuais e contextuais que podem ser associados ao agravo à saúde bucal estudado, com controle de colinearidade para as variáveis independentes em cada nível de análise. Em seguida, foi utilizado um modelo de regressão log-linear binominal negativa de razão de médias para o cálculo das medidas de efeito, devido às características de distribuição binominal negativa da variável dependente (CPOD) nos escolares examinados.

O cálculo exponencial aplicado ao coeficiente de regressão gerou uma medida de efeito que pode ser interpretada como razão de médias (RM). A interpretação epidemiológica dessa medida é similar ao risco relativo, indicando risco ou proteção os valores de RM maiores ou menores que um, respectivamente. Essa medida possibilita a comparação da média de determinado atributo de um grupo em relação a outro grupo. As estimativas foram geradas com o auxílio do programa estatístico MLwiN 2.021616 Rasbash J, Charlton C, Browne WJ, Healy M, Cameron B. MLwiN Version 2.02. Bristol: Centre for Multilevel Modeling; 2005..

A influência dos fatores em estudo sobre o CPOD seguiu a metodologia de análise hierárquica proposta por Victora et al.1717 Victora CG, Huttly SR, Fuchs SC, Olinto MT. The role of conceptual frameworks in epidemiological analysis: a hierarchical approach. Int J Epidemiol 1997; 26(1): 224-7.. Assumindo como referência o modelo conceitual apresentado na Figura 1, foram realizadas inicialmente as análises simples em cada bloco do modelo. Dentro de cada nível hierárquico, as variáveis com p < 0,20 foram testadas em modelos múltiplos. Ao final, as variáveis com p < 0,05 permaneceram no modelo final de cada nível e foram consideradas fatores de ajuste para os blocos subsequentes.

Figura 1.
Proposta de modelo teórico hierárquico da relação entre características individuais e contextuais e cárie dentária em escolares de 12 anos, Goiânia, GO, 2010.

QUESTÕES ÉTICAS

O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Goiás. Somente as escolas autorizadas pelos diretores e pelas Secretarias de Educação e as crianças cujos pais assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido participaram do estudo.

RESULTADOS

Das 41 escolas convidadas, 39 (24 públicas e 15 privadas) participaram da pesquisa. Foram examinados 2.075 escolares, com taxa de resposta de 70,05%. Os motivos para a não resposta foram a falta de autorização dos responsáveis, especialmente nas escolas particulares; ausência dos escolares no dia do exame; recusas e evasão escolar.

Do total de escolares participantes, 71,2% eram de escolas públicas e 28,8% de escolas privadas. Um pouco mais da metade era do sexo masculino (50,9%). A maioria das mães apresentou de 8 a 11 anos de estudo (51,2%), seguida de < 8 anos de estudo (27,5%) e > 11 anos de estudo (21,3%). A cor/raça parda correspondeu a 54,5% do total, seguida da branca com 36,4%, preta com 8,8%, amarela 0,3% e apenas 1 estudante relatou ser indígena.

A prevalência de cárie foi 54% (IC95% 47,0 - 60,7). A média do índice CPOD foi de 1,51 e houve predomínio do componente obturado (55,0%) (Tabela 1).

Tabela 1.
Condição de cárie dentária pelo índice de dentes cariados, perdidos e obturados (CPOD) na dentição permanente (n = 2075). Escolares de 12 anos de idade em Goiânia, GO, 2010.

A média do CPOD e a RM foram obtidas segundo as variáveis independentes provenientes do modelo simples de regressão binomial negativa (Tabela 2). A RM considera a variância presente em cada nível e se mostra como medida de efeito corrigida dos fatores associados ao CPOD. Em relação às variáveis contextuais, a localidade da escola por DS, a natureza administrativa da escola e a cobertura pela ESF apresentaram associação estatisticamente significativa com a cárie. Todas as variáveis individuais, sexo, cor/raça e escolaridade da mãe foram associados à cárie.

Tabela 2.
CPOD: dentes cariados, perdidos e obturados; IC95%: Intervalo de confiança de 95%; *porcentagem em relação ao índice de dentes cariados, perdidos e obturados (CPOD).

Após o ajuste das variáveis individuais pelas contextuais, incluindo as que foram significativas na regressão simples, apenas a cor/raça dos estudantes não se manteve associada ao desfecho (Tabela 3). No modelo final, contrastes foram observados na distribuição geográfica da cárie dentária em Goiânia, Goiás, em que alunos das escolas localizadas nos DS com os piores indicadores socioeconômicos (Grupo III) apresentaram aproximadamente o dobro da média do índice CPOD encontrada nos DS com melhores indicadores (Grupo I) (p < 0,001). Desigualdades foram também encontradas em relação a outras variáveis sociais. Estudantes de escolas públicas tiveram média CPOD 1,63 vezes maior, quando comparados aos estudantes de escolas privadas (p < 0,001). O índice foi também mais elevado nas instituições com cobertura pela ESF, que foi 1,37 vezes maior do que nas escolas sem essa estratégia (p < 0,01). Ao analisar as variáveis individuais, médias mais elevadas de CPOD foram encontradas em escolares do sexo feminino (p < 0,001) e naqueles cujas mães apresentaram menor escolaridade em comparação com as que tinham mais anos de estudo (p < 0,05).

Tabela 3.
Resultados do modelo múltiplo de regressão binomial negativa da associação entre cárie dentária e fatores individuais e contextuais em escolares de 12 anos. Goiânia, GO, 2010.

DISCUSSÃO

No presente estudo, foram constatadas desigualdades na distribuição da cárie em escolares de 12 anos no município pesquisado em relação a fatores contextuais e individuais. A situação mais favorável entre grupos socioeconômicos mais elevados confirma a influência dos determinantes sociais no padrão de saúde da população, que tem sido objeto de interesse crescente em saúde coletiva.

A disponibilidade de dados secundários por sistemas de informação local possibilitou avaliar a influência das variáveis contextuais sobre o desfecho. Além de considerar o desenho amostral, a análise multinível possibilitou contemplar parte da complexidade inerente ao processo saúde-doença. O modelo hierárquico adotado considerou aspectos do nível contextual como mediadores de toda a rede de determinação individual.

O modelo de regressão log-linear binominal negativa se mostrou como um instrumento metodológico favorável na análise de variáveis dependentes quantitativas discretas. Tais variáveis não possuem distribuição normal para serem ajustadas em um modelo de regressão linear ou possuem a variância maior do que a média, prejudicando, portanto, o uso de um modelo de regressão log-linear de Poisson devido ao fenômeno da superdispersão1818 Gschlößl S, Czado C. Modelling count data with overdispersion and spatial effects. Stat Pap 2008; 48: 531-52..

Os piores indicadores da doença foram verificados em crianças de escolas localizadas nos DS com os piores indicadores socioeconômicos. Outros estudos realizados em municípios brasileiros apresentaram resultados semelhantes7Antunes JL, Frazão P, Narvai PC, Bispo CM, Pegoretti T. Spatial analysis to identify differentials in dental needs by area-based measures. Community Dent Oral Epidemiol 2002; 30(2): 133-42. , 8Moura C, Cavalcanti AL, Bezerra PKM. Dental caries prevalence in 12-year-old schoolchildren in the city of Campina Grande, Paraíba, Brazil: a socioeconomic approach. Rev Odonto Ciênc 2008; 23(3): 256-62.. Constatou-se também associação entre a natureza administrativa da escola e a experiência de cárie. Esses resultados corroboram os de estudos anteriores em escolares de 12 anos com base na amostra do levantamento nacional de saúde bucal em 20031010 Antunes JL, Peres MA, Mello TRC, Waldman EA. Multilevel assessment of determinants of dental caries experience in Brazil. Community Dent Oral Epidemiol 2006; 34(2): 146-52.e outros realizados em municípios brasileiros5Freire MCM, Reis SCGB, Gonçalves MM, Balbo PL, Leles CR. Condição de saúde bucal em escolares de 12 anos de escolas públicas e privadas de Goiânia, Brasil. Rev Panam Salud Publica 2010; 28(2): 86-91. , 6Cypriano S, Hugo FD, Sciamarelli MC, Tôrres LHN, Sousa MLR, Wada RS. Fatores associados à experiência de cárie em escolares de um município com baixa prevalência de cárie dentária. Ciênc Saúde Coletiva 2011; 16(10): 4095-5106. , 1212 Martins MT, Sardenberg F, Abreu MH, Vale MP, Paiva SM, Pordeus IA. Factors associated with dental caries in Brazilian children: a multilevel approach. Community Dent Oral Epidemiol 2014; 42(4): 289-99.. Assim, no contexto brasileiro, a natureza administrativa da escola tem demonstrado ser um indicador de status socioeconômico, em conjunto com variáveis individuais ou quando a obtenção dessas não é possível1919 Piovesan C, Pádua MC, Ardenghi TM, Mendes FM, Bonini GC. Can type of school be used as an alternative indicator of socioeconomic status in dental caries studies? A cross-sectional study. BMC Med Res Methodol. 2011; 11: 37..

Chama a atenção no presente estudo o achado em relação à cobertura da ESF com ESB, que foi associado a uma maior experiência de cárie entre os escolares pesquisados, independente dos fatores socioeconômicos. Isso pode ser parcialmente explicado pelo fato das áreas com os piores indicadores sociais serem prioritárias para a implantação da ESF. Na literatura, a evidência sobre a efetividade das ações de saúde bucal na ESF é escassa e aponta para dificuldades na sua estruturação, que resultam em pouco ou nenhum avanço no modelo assistencial e na condição de saúde bucal da população2020 Pereira CRS, Roncalli AG, Cangussu MCT, Noro LRA, Patrício AAR, Lima KC. Impacto da Estratégia de Saúde da Família sobre os indicadores de saúde bucal: análise em municípios do Nordeste brasileiro com mais de 100 mil habitantes. Cad Saúde Pública 2012; 28(3): 449-62.

21 Soares FF, Figueiredo CRV, Borges NCM, Jordão RA, Freire MCM. Atuação da equipe de saúde bucal na estratégia saúde da família: análise dos estudos publicados no período 2001-2008. Ciênc Saúde Coletiva 2011; 16(7): 3169-80.
- 2222 Souza TMS, Roncalli AG. Saúde bucal no Programa Saúde da Família: uma avaliação do modelo assistencial. Cad Saúde Pública 2007; 23(11): 2727-39..

Os demais fatores contextuais analisados, referentes à presença de programas de saúde bucal na escola, não foram estatisticamente associados com a variável dependente. Estudos de revisão mostram que ações de educação em saúde isoladamente não produzem mudanças de comportamento duradouras, sendo relativamente ineficazes2323 Kay EJ, Locker D. A systematic review of the effectiveness of health promotion aimed at improving oral health. Community Dent Health 1998; 15(3): 132-44. , 2424 Pauleto ARC, Pereira MLT, Cyrino EG. Saúde bucal: uma revisão crítica sobre programações educativas para escolares. Ciênc Saúde Coletiva 2004; 9(1): 121-30.. Vale destacar o desenho transversal do estudo, que não permite o estabelecimento de relações de causalidade e não avalia o tempo necessário para que tais programas surtam o efeito protetor desejado. Assim, os achados do presente não invalidam os programas avaliados, mas mostram que a provável efetividade desses programas deve ser avaliada também por outros parâmetros, além da condição clínica de saúde da população atendida.

A diferença nos resultados entre os sexos feminino e masculino confirma os achados de outros estudos1010 Antunes JL, Peres MA, Mello TRC, Waldman EA. Multilevel assessment of determinants of dental caries experience in Brazil. Community Dent Oral Epidemiol 2006; 34(2): 146-52. , 25 25 Pereira SM, Tagliaferro EP, Ambrosano GM, Cortelazzi KL, Meneghim MC, Pereira AC. Dental caries in 12-year-old schoolchildren and its relationship with socioeconomic and behavioural variables. Oral Health Prev Dent 2007; 5(4): 299-306.e pode ser motivada pelo compromisso diferenciado dos pais e da sociedade em relação às dimensões funcionais e estéticas de saúde bucal em meninas e meninos2626 Grogan S, Richards H. Body image: focus groups with boys and men. Men Masc 2002; 4(3): 219-32..

Em relação à influência da escolaridade das mães, resultados semelhantes foram relatados em estudos realizados em outros municípios brasileiros6Cypriano S, Hugo FD, Sciamarelli MC, Tôrres LHN, Sousa MLR, Wada RS. Fatores associados à experiência de cárie em escolares de um município com baixa prevalência de cárie dentária. Ciênc Saúde Coletiva 2011; 16(10): 4095-5106. , 8Moura C, Cavalcanti AL, Bezerra PKM. Dental caries prevalence in 12-year-old schoolchildren in the city of Campina Grande, Paraíba, Brazil: a socioeconomic approach. Rev Odonto Ciênc 2008; 23(3): 256-62. , 1212 Martins MT, Sardenberg F, Abreu MH, Vale MP, Paiva SM, Pordeus IA. Factors associated with dental caries in Brazilian children: a multilevel approach. Community Dent Oral Epidemiol 2014; 42(4): 289-99. , 2727 Nicolau B, Marcenes W, Allison P, Sheiham A. The life course approach: explaining the association between height and dental caries in Brazilian adolescents. Community Dent Oral Epidemiol 2005; 33(2): 93-8.. Segundo a Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais de Saúde, a escolaridade está fortemente associada à saúde das populações2828 Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais de Saúde (CNDSS). As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil. Relatório final da Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde (CNDSS). CNDSS; 2008. Disponível em:http://www.who.int/social_determinants/media/brazil_cndss_final_report_2008_pt.pdf(Acessado em 10 de janeiro de 2014).
http://www.who.int/social_determinants/m...
. Existem diversos mecanismos que podem explicar a relação entre indicadores de condição socioeconômica e estado de saúde. Além disso, a causalidade dessa relação não é única, podendo haver interações entre os fatores.

Apesar da raça/cor não ter sido associada com a variável dependente, os resultados da análise bivariada evidenciaram diferenças raciais em favor dos brancos, os quais apresentaram menor prevalência de cárie. Da mesma forma, no levantamento nacional realizado em 2003 foi constatado que adolescentes de pele preta e parda da Região Centro-Oeste apresentaram maior probabilidade de apresentar dentes cariados não tratados2929 Bastos JL, Antunes JLF, Frias AC, Souza MLR, Peres KG, Peres MA.Color/race inequalities in oral health among Brazilian adolescents. Rev Bras Epidemiol 2009; 12(3): 313-24.. A explicação para essa associação não é clara e pode incluir a influência da posição socioeconômica, a discriminação racial, os comportamentos em saúde e outros fatores, que devem ser melhor explorados em futuros estudos.

A redução do índice de cárie em escolares no município desde os anos 1980 tem sido demonstrada3030 Oliveira LB, Reis SBG, Freire MCM. Cárie dentária em escolares de Goiânia no período de 1988 a 2010: tendência e desigualdades. Rev Odontol Bras Central 2013; 22(61): 94-9. e segue a tendência nacional. O CPOD encontrado em 2010 (1,51) pode ser classificado como baixo, de acordo com a escala da OMS para a idade de 12 anos3131 Petersen PE. The World Oral Health Report 2003: continuous improvement of oral health in the 21st century - the approach of the WHO Global Oral Health Programme. Community Dent Oral Epidemiol 2003; 31(Suppl1): 3-23.. Foi também inferior às médias encontradas em Goiânia (CPOD = 1,76), na Região Centro-Oeste (CPOD = 2,63) e no Brasil como um todo (CPOD = 2,07)1313 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento da Atenção Básica. SB Brasil 2010: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.. Tais dados revelam uma situação um pouco mais favorável em Goiânia, Goiás, porém dissimulam as desigualdades existentes dentro do município; daí a importância de se analisar a distribuição geográfica dos dados locais. Além disso, o alto percentual de dentes com cáries não tratadas no presente estudo (41%) é preocupante e tem implicações para o serviço público de saúde.

Devido ao número limitado de variáveis contextuais e individuais coletadas durante o levantamento epidemiológico, não foram feitas outras análises que poderiam elucidar melhor os fatores que influenciam a prevalência da cárie em escolares de 12 anos no município. Apesar dessa limitação, este é um dos primeiros estudos a empregar análise multinível para um conjunto representativo de crianças, no qual os fatores individuais e contextuais analisados foram úteis para a identificação de grupos vulneráveis. Esse tipo de análise permite aos pesquisadores lidar com o nível micro dos indivíduos e o nível macro de grupos simultaneamente, contribuindo para um planejamento local mais eficaz e contextualizado de saúde bucal.

CONCLUSÃO

Conclui-se que houve associação entre a prevalência da cárie dentária e fatores individuais e contextuais em escolares de 12 anos do município de Goiânia, Goiás, em 2010. O monitoramento das desigualdades sociodemográficas e geográficas é relevante para a programação de intervenções adequadas, com ênfase em ações socialmente apropriadas para reduzir as iniquidades existentes.

Referências bibliográficas

  • 1
    Petersen PE, Bourgeois D, Ogawa H, Estupinan-Day S, Ndiaye C. The global burden of oral diseases and risks to oral health. Bull World Health Organ 2005; 83(9): 661-9.
  • 2
    Hobdell MH, Oliveira ER, Bautista R, Myburgh NG, Lallo R, Narendran S, et al. Oral disease and socio-economic status (SES). Br Dent J 2003; 194(2): 91-6.
  • 3
    Petersen PE, Kwan S. Equity, social determinants and public health programmes: the case of oral health. Community Dent Oral Epidemiol 2011; 39(6): 481-7.
  • 4
    Pitts N, Amaechi B, Niederman R, Acevedo AM, Vianna R, Ganss C, et al. Global oral health inequalities: dental caries task-group research agenda. Adv Dent Res 2011; 23(2): 211-20.
  • 5
    Freire MCM, Reis SCGB, Gonçalves MM, Balbo PL, Leles CR. Condição de saúde bucal em escolares de 12 anos de escolas públicas e privadas de Goiânia, Brasil. Rev Panam Salud Publica 2010; 28(2): 86-91.
  • 6
    Cypriano S, Hugo FD, Sciamarelli MC, Tôrres LHN, Sousa MLR, Wada RS. Fatores associados à experiência de cárie em escolares de um município com baixa prevalência de cárie dentária. Ciênc Saúde Coletiva 2011; 16(10): 4095-5106.
  • 7
    Antunes JL, Frazão P, Narvai PC, Bispo CM, Pegoretti T. Spatial analysis to identify differentials in dental needs by area-based measures. Community Dent Oral Epidemiol 2002; 30(2): 133-42.
  • 8
    Moura C, Cavalcanti AL, Bezerra PKM. Dental caries prevalence in 12-year-old schoolchildren in the city of Campina Grande, Paraíba, Brazil: a socioeconomic approach. Rev Odonto Ciênc 2008; 23(3): 256-62.
  • 9
    Merlo J, Chaix B, Yang M, Lynch J, Rástam L. A brief conceptual tutorial of multilevel analysis in social epidemiology: linking the statistical concept of clustering to the idea of contextual phenomenon. J Epidemiol Community Health 2005; 59(6): 443-9.
  • 10
    Antunes JL, Peres MA, Mello TRC, Waldman EA. Multilevel assessment of determinants of dental caries experience in Brazil. Community Dent Oral Epidemiol 2006; 34(2): 146-52.
  • 11
    Moreira RS, Nico LS. Aspectos contextuais da ausência de cárie em escolares de 12 anos no Brasil, em três períodos históricos. Rev Odontol UNESP 2010; 39(5): 263-70.
  • 12
    Martins MT, Sardenberg F, Abreu MH, Vale MP, Paiva SM, Pordeus IA. Factors associated with dental caries in Brazilian children: a multilevel approach. Community Dent Oral Epidemiol 2014; 42(4): 289-99.
  • 13
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento da Atenção Básica. SB Brasil 2010: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.
  • 14
    World Health Organization (WHO). Oral health surveys: basic methods. Geneva: WHO; 1997.
  • 15
    Szwarcwald CL, Damacena GN. Amostras complexas em inquéritos populacionais: planejamento e implicações na análise estatística dos dados. Rev Bras Epidemiol 2008; 11(Suppl 1): 38-45.
  • 16
    Rasbash J, Charlton C, Browne WJ, Healy M, Cameron B. MLwiN Version 2.02. Bristol: Centre for Multilevel Modeling; 2005.
  • 17
    Victora CG, Huttly SR, Fuchs SC, Olinto MT. The role of conceptual frameworks in epidemiological analysis: a hierarchical approach. Int J Epidemiol 1997; 26(1): 224-7.
  • 18
    Gschlößl S, Czado C. Modelling count data with overdispersion and spatial effects. Stat Pap 2008; 48: 531-52.
  • 19
    Piovesan C, Pádua MC, Ardenghi TM, Mendes FM, Bonini GC. Can type of school be used as an alternative indicator of socioeconomic status in dental caries studies? A cross-sectional study. BMC Med Res Methodol. 2011; 11: 37.
  • 20
    Pereira CRS, Roncalli AG, Cangussu MCT, Noro LRA, Patrício AAR, Lima KC. Impacto da Estratégia de Saúde da Família sobre os indicadores de saúde bucal: análise em municípios do Nordeste brasileiro com mais de 100 mil habitantes. Cad Saúde Pública 2012; 28(3): 449-62.
  • 21
    Soares FF, Figueiredo CRV, Borges NCM, Jordão RA, Freire MCM. Atuação da equipe de saúde bucal na estratégia saúde da família: análise dos estudos publicados no período 2001-2008. Ciênc Saúde Coletiva 2011; 16(7): 3169-80.
  • 22
    Souza TMS, Roncalli AG. Saúde bucal no Programa Saúde da Família: uma avaliação do modelo assistencial. Cad Saúde Pública 2007; 23(11): 2727-39.
  • 23
    Kay EJ, Locker D. A systematic review of the effectiveness of health promotion aimed at improving oral health. Community Dent Health 1998; 15(3): 132-44.
  • 24
    Pauleto ARC, Pereira MLT, Cyrino EG. Saúde bucal: uma revisão crítica sobre programações educativas para escolares. Ciênc Saúde Coletiva 2004; 9(1): 121-30.
  • 25
    Pereira SM, Tagliaferro EP, Ambrosano GM, Cortelazzi KL, Meneghim MC, Pereira AC. Dental caries in 12-year-old schoolchildren and its relationship with socioeconomic and behavioural variables. Oral Health Prev Dent 2007; 5(4): 299-306.
  • 26
    Grogan S, Richards H. Body image: focus groups with boys and men. Men Masc 2002; 4(3): 219-32.
  • 27
    Nicolau B, Marcenes W, Allison P, Sheiham A. The life course approach: explaining the association between height and dental caries in Brazilian adolescents. Community Dent Oral Epidemiol 2005; 33(2): 93-8.
  • 28
    Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais de Saúde (CNDSS). As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil. Relatório final da Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde (CNDSS). CNDSS; 2008. Disponível em:http://www.who.int/social_determinants/media/brazil_cndss_final_report_2008_pt.pdf(Acessado em 10 de janeiro de 2014).
    » http://www.who.int/social_determinants/media/brazil_cndss_final_report_2008_pt.pdf
  • 29
    Bastos JL, Antunes JLF, Frias AC, Souza MLR, Peres KG, Peres MA.Color/race inequalities in oral health among Brazilian adolescents. Rev Bras Epidemiol 2009; 12(3): 313-24.
  • 30
    Oliveira LB, Reis SBG, Freire MCM. Cárie dentária em escolares de Goiânia no período de 1988 a 2010: tendência e desigualdades. Rev Odontol Bras Central 2013; 22(61): 94-9.
  • 31
    Petersen PE. The World Oral Health Report 2003: continuous improvement of oral health in the 21st century - the approach of the WHO Global Oral Health Programme. Community Dent Oral Epidemiol 2003; 31(Suppl1): 3-23.

  • Fonte de financiamento: nenhuma

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Jul-Sep 2015

Histórico

  • Recebido
    26 Maio 2014
  • Revisado
    01 Set 2014
  • Aceito
    30 Set 2014
Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revbrepi@usp.br