ARTIGOS

 

Saúde, doença e inovação tecnológica

 

 

H. Maria Dutilh Novaes; Ricardo Lafetá Novaes

Professores Doutores do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

 

 


RESUMO

As inovações tecnológicas em medicina são freqüentemente introduzidas, nos debates que tratam dos processos de saúde/doença existentes em populações determinadas, e das formas de intervenção possíveis por parte da atenção médica, de duas formas polares e antagônicas: ou são as principais responsáveis pelos insucessos, ou são as únicas garantias da efetividade médica. Neste texto argumenta-se, lançando mão de exemplos retirados da análise da presença das doenças cardiovasculares nas populações ao longo do tempo, que é possível, e desejável, que sejam desenvolvidas atitudes e práticas mais diferenciadas em relação a elas, em que os conhecimentos científicos e técnicos específicos, assentados na individualidade biológica, possam estar melhor articulados com as necessidades e objetivos colocados para os sistemas de saúde, na sua inserção social, política, econômica e cultural. As diversas perspectivas possíveis de serem adotadas para a avaliação nos sistemas e serviços de saúde, que têm tido um desenvolvimento crescente nas conjunturas de "crise na saúde", ainda que não possam negar a sua origem de prática racionalizadora, estão apontando para um real reconhecimento da necessidade de uma maior reflexão no interior das próprias práticas médicas sobre as premissas que as sustentam, e de uma melhor compreensão das formas possíveis para as sociedades hoje vivenciarem e administrarem, de uma forma mais transparente e menos dogmática, os conflitos inevitáveis entre os interesses individuais e as necessidades coletivas.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. CREDES. Programme Éco Santé OCDE. Paris, CREDES/OCDE, 1993.         

2. MEDICI,A.C. Gastos com saúde nas três esferas de govêrno: 1980-1990 - São Paulo, IEPS/FUNDAP, 1993.[mimeografado]         

3. Mc KINLAY,J.B.; Mc KINLAY,S.M.; BEAGLEHOLE,R. A review of the evidence concerning the impact of medical measures on recent mortality and morbidity in the United States. Int. J. Hlth Serv., 19:181-208,1989.         

4. LOPEZ,A.D. Assessing the burden of mortality from cardiovascular diseases- Wld Hlth Statist.Quarf.,46:91-6, 1993.         

5. MINISTÉRIO DA SAÚDE. INAMPS: doenças crônico-degenerativas: evolução e tendências atuais. Brasília, 1988.         

6. WYNGAARDEN,J.B. & SMITH,L.H. Cecil's textbook of medicine. Philadelphia, W.B. Saunders Company, 1985. v.1, p.150-367: Cardiovascular Diseases,         

7. BEAGLEHOLE,R. International trends in coronary heart disease: mortality, morbidity and risk factors Epidemiol. Rev., 12:1-15,1990.         

8. LOLIO,C.A. & LAURENTI,R. Mortalidade por doença isquêmica do coração no Município de São Paulo: evolução de 1950 a 1981 e mudanças recentes na tendência- Arq. Bras. Cardiol., 46:153-6,1986.         

9. LOLIO,C.A. & LAURENTI,R. Tendência de mortalidade nas doenças cerebrovasculares em adultos maiores de 20 anos de idade no Município de São Paulo, Brasil, 1950-1981- Rev. Saúde Pública.,S.Paulo.,20:343-346,1986.         

10. LESSA,l. Epidemiologia, assistência médica e impacto econômico e social das doenças cardiovasculares e do diabetes mellitus. Inf. Epidemiol. SUS, 2(4):5-20,1993.         

11. BOUVIER-COLLE,M.H.; VALLIN,J.; HATTON,F. Mortalité et causes de décès en France, Paris, DOIN/ INSERM,1990.         

12. ELUF NETO,J.; LOTUFO,P.A.; LOLIO,C.A. Tratamento da hipertensão e declínio da mortalidade por acidentes vasculares cerebrais- Rev. Saúde Pública,S.Paulo, 24:332-6,1990.         

13. ALMEIDA FILHO,N. Epidemiologia sem números - Rio de Janeiro, Campus, 1989.         

14. HARRISON,D.C. Cost-containment in medicine: why cardiology. Am.J. Cardiol.,56(Suppl.):10C-15C, 1985. (suppl.          )

15. BUSS,P.M. Assistência hospitalar no Brasil (1984-1991): uma análise preliminar no sistema de informação hospitalar do SUS. Inf. Epidem. SUS,2(2):5-42,1993.         

16. NOVAES, H.M.D. Processo de desenvolvimento tecnológico em saúde: demanda e uso de tecnologia: o consumo hospitalar no Município de São Paulo. São Paulo, 1990.[mimeografado]         

17. NOVAES,H.M.D. Diagnosticar e classificar: o limite do olhar. São Paulo, 1987.[Tese de Doutoramento - Faculdade de Medicina da USP]         

18. McPHERSON,K. Variations entre pays des pratiques médicales In: Les systèmes de santé: a la recherche d'éfficacité Paris, OCDE, 1990. p. 17-30.         

19. SCHRAIBER,L.B. O médico e seu trabalho: limites da liberdade. São Paulo, Editora Hucitec, 1993.         

20. JACOBY,I. Update on assessment activities- United States perspective. Int. J. Tech. Assess. Hlth Care, 4:95- 105,1988.         

21. COHN,A., NUNES,E., JACOBI,P.R.; KARSCH,V.S. A saúde como direito e como serviço. São Paulo, Cortez Editora/ CEDEC, 1991.         

22. STOCKING,B. Expensive health technologies: regulatory and administrative mechanisms in Europe. Oxford, Oxford University Press, 1988.         

23. BANTA,H.D. & LUCE,B.R. Health care technology and its assessment: an international perspective - Oxford, Oxford University Press, 1993.        

Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. Associação Paulista de Saúde Pública. SP - Brazil
E-mail: saudesoc@usp.br