ARTIGO

 

Tabagismo entre alunos e funcionários da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo*

 

Smoking among students and works at School of Public Health/USP

 

 

Antonio Pedro MirraI; Ruth Sandoval MarcondesII; José María Pacheco de SouzaIII; Glacilda Talles Menezes StewienIV

ICoordenador do Registro de Câncer de São Paulo, do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública, USP. Chefe da Divisão de Registros de Câncer da Fundação Oncocentro de São Paulo
IIProfessora Titular, aposentada, do Departamento de Prática de Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública, USP
IIIProfessor Titular do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública, USP
IVProfessora Doutora, aposentada, do Departamento de Prática de Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública, USP.Faculdade de Saúde Pública da USP End: Av. Dr. Arnaldo, 715 - Iº andar CEP: 012046-904 São Paulo Tel : 3066-7799 Fax: 282-2920

 

 


RESUMO

Dois inquéritos sobre a prevalência do tabagismo entre os alunos e funcionários da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, presentes à aula inaugural, cujo tema foi tabagismo, foram realizados em 1980 e 1995. No primeiro inquérito, em 1980, estavam presentes 177 funcionários e alunos de cursos de especialização e pós graduação (homens = 38,4% e mulheres = 61,6%) e 128, no segundo, em 1995 (homens = 29,7% e mulheres = 70,3%). Observou-se que houve um decréscimo na prevalência de fumantes regulares de 56,9% para 26,3% no sexo masculino e de 45,9% para 22,2% no feminino, sendo essas diferenças mais acentuadas entre os mais jovens (20 a 39 anos de idade). Os profissionais com formação biológica foram os mais motivados para não adquirirem o vício de fumar, seguindo-se o grupo com formação básica em ciências exatas e sociais e os educadores; os profissionais relacionados às letras, advogados, foram os que não mostraram motivação, pois houve aumento da prevalência de fumantes regulares. A idade no início de fumar foi semelhante à da população geral (10-14 anos de idade), bem como as razões para esse início e a manutenção do vício. A grande maioria dos entrevistados afirmou ter conhecimento dos malefícios do tabaco. A mídia falada (TV/ Rádio) foi selecionada como meio mais adequado para a divulgação dos efeitos nocivos do fumo. Programas de combate ao tabagismo mais efetivos devem ser implementados na escolas de saúde pública, a fim de que ocorra a redução de fumantes entre os alunos dos seus cursos regulares e seus funcionários.

Palavras-chave: tabagismo, prevalência, escola de saúde pública


SUMMARY

This study evaluates the effects of a prevention program in smoking behavior. Two surveys about tobacco use among students and staff members of the School of Public Health of University of São Paulo who attended in the openning classes of the 1980 and 1995 academic years. In 1980 a total of 177 people were present (38,4% men) and in 1995 a total of 128 (29,7% men). From 1980 to 1995 the proportion of regular smokers fell from 56,9% to 26,3% in males and from 45,9% to 22,2% in females. Findings indicate that there was a higher decrease in the prevalence of regular smoking for younger subjects. Highly motivated to stop smoking were professionals of biosciences background, followed by social sciences and education. Less motivated were subjects of law background, who showed an increase in the prevalence of smoking. Most subjects informed that they have started smoking at the age group of 10 to 14 years, and that they were aware of the damage of tabacco smoking to health. The means considered as the most adequate for the divulgation dangers of the tobacco were TV and radio. More effective programs against smoking should be implemented in the schools of public health, in order to promote the decrease the number of smokers among their students and employees.

Key words: smoking, prevalence, health school.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

RIGATTO, M. et al. Influência do curso médio da UFRGS sobre seus alunos em relação ao tabagismo. In: Semana do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Anais. Porto Alegre, 1989.         

RODRIGUES, E.M.S. Tabagismo entre estudantes da USP, Campus RibeirãoPreto - SP, no Período de 1980/1988. Ribeirão Preto, 1989. [Tese de Mestrado - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP]         

ROSEMBERG, J. Tabagismo. 2ª ed. São Paulo, Almed/Edusp, 1988. Série Problema de Saúde Pública.         

ROSEMBERG, J. & PERON, S. Tabagismo entre estudantes da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba: tabagismo nos acadêmicos de medicina e nos médicos. J. Pneumol., 16:13-22,1990.         

RUFFINO NETTO, A. et al. Tabagismo entre acadêmicos de Ribeirão Preto. J.Pneumol., 7:164-70,1981.         

RUFFINO NETTO, A. et al. Tendência do tabagismo entre acadêmicos de Ribeirão Preto, SP; estudo prospectivo. J. PneumoL, 14:163-9. 1988.         

RUFFINO NETTO, A. et al Hábito de fumar entre acadêmicos ligados à área da saúde: alguns aspectos econômicos, Ribeirão Preto. Medicina (Ribeirão Preto), 22:95-104, 1989.         

SZEGO, T., BECHARA, M.J. & RODRIGUES, J.C. Levantamento epidemiológico sobre o vício de fumar entre estudantes de medicina no Estado de São Paulo. Rev. Ass. Med. Bras., 31:13-6, 1985.         

 

 

Recebido: 24/11/98
Aprovado: 8/11/99

 

 

*Trabalho realizado na Faculdade de Saúde Pública da USP.

Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. Associação Paulista de Saúde Pública. SP - Brazil
E-mail: saudesoc@usp.br