ARTIGO

 

De que adoecem e morrem as mulheres em São Paulo*

 

The female morbidity and mortality in the State of São Paulo

 

 

Luís Eduardo BatistaI; Margareth A. Santini de AlmeidaII; Ione MoritaII; Anna VolochkoI; Marina Ferreira ReaI

IDo Instituto de Saúde/CIP/SES, Núcleo de Investigação em Saúde da Mulher e da Criança
IIDa Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP, Departamento de Saúde Pública

 

 


RESUMO

O estudo traça um perfil da morbi-mortalidade feminina no Estado de São Paulo, com enfoque nos problemas reprodutivos. A mortalidade foi estudada nos períodos 1979-81; 1986-88 e 1993-5, a partir do Sistema de Informação em Mortalidade (SIM/DATASUS) e a morbidade de 1996 foi obtida do Sistema de Informações Hospitalares (SIH/DATASUS). O artigo discute as principais causas de internação e morte das mulheres e aponta os desafios para as políticas públicas voltadas a saúde da mulher.

Palavras-chave: morbi-mortalidade feminina, problemas reprodutivos, AIDS, doenças cardíacas, doenças respiratórias


SUMMARY

This study aims at outlining a female morbidity and mortality profile in the State of São Paulo, focusing on the reproductive problems and contributing to a better formulation of public policies for the sector. Mortality data were collected from the Mortality Information System (SIM/DATASUS), in the periods 1979-81; 1986-88 and 1993-95, and morbidity data were gathered from the Hospital Information System (SIH/ DATASUS) in 1996. It was observed that the female mortality rate has a decreasing trend; stagnation or reversion of the trend in mortality is due to emergence of AIDS, with a major impact on the reproductive period. Cardiac and cerebrovascular diseases stand out as causes of death. As to morbidity, the main reasons for hospitalization are related to pregnancy, labor and puerperium. followed by respiratory and circulatory diseases. Hospitalization rates in the countryside are higher than in the Metropolitan Area.

Key words: female morbidity and mortality, reproductive problems, AIDS, cardiac diseases, respiratory diseases


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AYRES, J.R.de C. Epidemiologia e emancipação. Hucitec:São Paulo, Abrasco: Rio de Janeiro, 1995.         

BARBOSA, R.M. e Lago, TG. AIDS e direitos reprodutivos: para além da transmissão vertical. In: PARKER, R. (orgs.) Políticas, Instituições e AIDS. Enfrentando a epidemia no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar/ABIA. 1997. p 163-75.         

BARBOSA, R.M., Villela, W.V. A Trajetória Feminina da AIDS. In: PARKER, R & GALVÃO, J.(orgs.) Quebrando o silêncio. Mulheres e AIDS no Brasil. ABIA, IMS-UERJ, Relume Dumará. p. 17-32.1996.         

BARBOSA, R.M. Feminismo e AIDS. In: Parker, R e Galvão, J. Quebrando o silêncio. Mulheres e AIDS no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará: ABIA, IMS-UERJ, 1996. p.153-68.         

LOMBARDI, C. et al. Operacionalização do conceito de classe social em estudos epidemiológicos. Rev. Saúde Pública, 1998; 22(4): 253-65, 1988.         

BEMFAM (Sociedade Civil de Bem Estar Familiar no Brasil). Brasil: Pesquisa Nacional sobre Demografía e Saúde. Rio de Janeiro: Macro Internacional, 1997.         

BEMFAM, PNAD/96 In: A Infância Brasileira nos Anos 90. UNICEF. Brasília, novembro de 1998.         

BONADIO, IC. Ser tratada como gente: a vivência de mulheres atendidas no pré-natal de uma instituição filantrópica. São Paulo, 1996. [Tese de doutorado. Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo]          .

CERQUEIRA, C.A., PAES, N.A. Mortalidade por doenças crônico-degenerativas e relações com indicadores sócio-econômicos no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, XI, 1998, Caxambú. ANAIS... Caxambú: ABEP, 1998, p. 1975-92.         

CHOR, D.; DUCHIADE, M.P., JOURDAN, A.M. Diferencial de mortalidade em homens e mulheres em localidade da Região Sudeste, Brasil, 1960, 1970 e 1980. Rev. Saúde Pública 1992; 26(4): 246-55.         

CUNHA, E.M.G.P. Os neoplasmas malignos na população feminina brasileira. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, XI, 1998, Caxambú. ANAIS ... Caxambú: ABEP, 1998, p. 1929-46.         

DOMINGUES, R.M.S.M. Sífilis congênita: uma doença secular desafiando o terceiro milênio. In: Saúde em Foco. Informe epidemiológico em Saúde Coletiva. Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. 1998; Ano III, 17. p 30-33.         

KALCKMANN, A. S. Dinâmica de uso do diafragma como método contraceptivo entre usuárias de serviços públicos de saúde. São Paulo, 1995. [Dissertação de Mestrado em Ciências em Epidemiología - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo]          .

LAGO, T. G. Saúde, vulnerabilidade e prevenção. Mulher em dados. FSEADE, 3., 1997, p.1.         

LAURENTI, R. et al. Mortalidade de mulheres em idade fértil no Município de São Paulo (Brasil), 1986. II Mortes por causas maternas. Rev. Saúde Pública, 24:1468-71, 1990.         

LEBRÃO, M.L. Estudos de morbidade. São Paulo:EDUSP; 1997.         

LUIZ, O. C. Perspectivas da avaliação de situação de saúde: uma apreciação crítica. São Paulo, 1997. [Dissertação Mestrado em Medicina Preventiva - Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo]          .

NEDEL, F.B; ROCHA, M. & PEREIRA, J. Anos de vida perdidos por mortalidade: um dos componentes da carga de doenças. Rev. Saúde Pública, 33(5):461-69, 1999.         

PEREIRA, M. G. Epidemiologia: teoria e prática. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, 1995.         

PLAUT, E. & ROBERTS, E. Preventable mortality: indicator or target? applications in developing countries. Wld Hlth statist. quart., 42:4-15, 1998.         

PUFFER, R. R & GRIFFITH, G. W. Caracteristicas de la mortalidad urbana. Organization Panamericana de Salud, Washington, 1968.         

SANTO, A.H. Causas múltiplas de morte: formas de apresentação e métodos de análise. São Paulo, 1988. [Tese de Doutorado - Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo]          .

TADDEUS, S. & MAINE, D. Too far to walk. Soc. Science Medicine, 1997.         

TANAKA, ACA. Maternidade. Um dilema entre nascimento e parto. São Paulo:Hucitec Rio de Janeiro:Abrasco, 1995.         

VICTORA, C.G, BARROS, F. C e VAUGHAN, J.P Epidemiologia da desigualdade: um estudo longitudinal de 6.000 crianças brasileiras. São Paulo:Hucitec, 1988.         

VOLOCHKO, A. Mortalidade de mulheres: mortalidade materna. São Paulo, 1992. [Dissertação de Mestrado em Saúde Pública - Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo]          .

VOLOCHKO, A; Escuder, MML e Hayes, E. Peregrinação em busca do local de parto. Sapopemba, São Paulo, 1997. V Congresso da Abrasco, Águas de Lindóia, 25-29 Agosto de 1998. ANAIS... V Congresso da Abrasco, 1998.         

VOLOCHKO, A; Marchi, MLS e Hayes, E. Construção social do sistema de reserva de vaga obstétrica. Acesso e qualidade do serviço obstétrico. Perspectiva da cliente. Núcleo de Investigação de Saúde da Mulher e Criança. Instituto de Saúde, São Paulo, 1998a. (Projeto de pesquisa) mimeo.         

WHITE, K. L.; Williams T. F & GREENBERG, BG. The ecology of medical care. New England J Med, 265:885-92, 1961.         

WHO (1991). Maternal Mortality: A Global Factbook. Geneva. WHO/MCH/MSM/91.3. p. 295-304.         

WHO. Proceedings of the Meeting on Socioeconomic Determinants and Consequences of Mortality. Mexico City. 19-25 June, 1979. WHO, New York, 1979.         

Http://www.seade.gov.br/cgi-bin/titabp/shtab?dem/ANU94/dem94004-COLTAB         

Http://www.saude.gov.br/inform/indica/indica2.htm        

 

 

Agradecemos as contribuições de: Ruy Laurenti, Maria Lúcia Lebrão, Luis Patrício Ortiz, Deise Oshiro, Eliete Cândida de Lima Cortez; Francisco Trocolli; Jayme laperuta Filho; Olinda do Carmo Luiz; Sara Romera Sorrentino; Suzana Kalckmann; Tânia Giácomo do Lago e Wilza Vieira Villela.

* Este artigo é parte do projeto "Estudo Multicêntrico da morbi-mortalidade feminina no Brasil" coordenado pelo Núcleo de Estudos de População - NEPO/UNICAMP e financiado pela Fundação Ford. O estudo foi desenvolvido nos estados do Para, Goiás, Rio Grande do Sul e São Paulo. No estado de São Paulo o estudo foi desenvolvido pelo Instituto de Saúde e pela Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP. E-mail ledu@isaude.sp.gov.br

Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. Associação Paulista de Saúde Pública. SP - Brazil
E-mail: saudesoc@usp.br